Tropas ficam sob fogo vindo da Jordânia, diz Exército de Israel

Militares israelenses dizem que patrulha foi atacada na fronteira no sul; país vizinho nega ter alvejado soldados

Reuters e Efe,

13 de janeiro de 2009 | 07h14

Tropas israelenses ficaram sob fogo vindo de território jordaniano na região da fronteira com a Jordânia nesta terça-feira, 13, informou o Exército israelense. A informação foi rapidamente negada pela Jordânia. "Tropas ficaram sob fogo vindo do lado jordaniano da fronteira. Não estava claro quem eram os atiradores", disse uma porta-voz militar israelense sobre o incidente, que acontece no 18º dia da ofensiva israelense em Gaza. Ninguém ficou ferido, segundo ela.   Veja também: Aumenta suspeita do uso de armas ilegais no conflito em Gaza Exército reforça controle nas áreas urbanas de Gaza Brasileiros em Israel protestam contra o PT  Conflito em Gaza vira guerrilha urbana  Secretário-geral da ONU apela por trégua Especial traz mapa com principais alvos em Gaza  Linha do tempo multimídia dos ataques em Gaza  Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos  Veja imagens de Gaza após os ataques     As tropas, que faziam patrulhamento na área de fronteira com a Jordânia, no sul de Israel, revidaram, segundo a porta-voz. A agência de notícias jordaniana Petra disse: "Uma fonte militar do Comando Geral das Forças Armadas jordanianas negou... que tiros tenham sido disparados do lado jordaniano da fronteira oeste, afirmando que não existe verdade nessa informação". O incidente foi registrado no sul da fronteira, na altura da passagem fronteiriça de Yitzhak Rabin (Arava), ao norte da cidade israelense de Eilat, às margens do Mar Vermelho.   Este ataque contra Israel se junta a outros dois realizados na última semana a partir do Líbano e da Síria que foram atribuídos a protestos contra a ofensiva israelense na Faixa de Gaza, que deixou mais de 900 mortos e de 4 mil feridos desde seu início, em 27 de fevereiro. Na quinta-feira passada, três foguetes disparados por um grupo palestino do sul do Líbano atingiram o norte de Israel, dois deles na cidade de Nahariya, sem deixar feridos. No domingo, desconhecidos abriram fogo do território sírio contra um veículo militar israelense que patrulhava nas Colinas do Golã - que Israel ocupa desde a Guerra dos Seis Dias de 1967 -, também sem vítimas. Este incidente foi atribuído pela Síria a ativistas palestinos que operam no país vizinho. A Jordânia assinou um acordo de paz com o Estado judeu em 1994, tornando-se o segundo Estado árabe a fazer isso. O primeiro foi o Egito. A maioria dos 5 milhões de cidadãos jordanianos é de origem palestina. Eles ou seus parentes foram expulsos ou fugiram para a Jordânia em meio aos combates que se seguiram à criação de Israel em 1948. Milhares de jordanianos foram às ruas protestar contra as operações militares israelenses contra militantes do Hamas na Faixa de Gaza. Ao menos 925 palestinos já morreram nos ataques. A Polícia de Fronteira de Israel abriu uma investigação sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.