Tropas líbias bombardeiam posições rebeldes no oeste

Trípoli também foi alvo de ataques; bombas atingiram alvos civis e militares em Firnag, diz governo

REUTERS

15 de junho de 2011 | 11h45

MISRATA - As forças do líder líbio, Muamar Kadafi, bombardearam nesta quarta-feira, 15, posições nas montanhas do oeste da Líbia, disseram os rebeldes, que tinham conseguido avançar em três frentes de batalha e estavam chegando mais perto da capital Trípoli.

 

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia

 

Um porta-voz rebelde na cidade de Nalut, chamado Kalefa, disse que não houve vítimas no bombardeio.

"As forças de Kadafi bombardearam Nalut esta manhã... Mais de 20 foguetes Grad caíram na cidade. Eles bombardearam a partir de suas posições... cerca de 20 quilômetros a leste de Nalut", disse ele. "Também atacaram a passagem de Wazin-Dehiba (na fronteira com a Tunísia)."

Os combates foram relativamente menores nesta quarta-feira, tendo os rebeldes mantendo suas posições em Zlitan, a leste de Trípoli, e em outras frentes, disseram testemunhas à Reuters.

A aviação da Otan bombardeou Trípoli na noite de terça-feira, provocando fortes explosões que levantaram nuvens de fumaça, mas não houve outros relatos de ataques.

Segundo a TV Líbia, as bombas atingiram alvos civis e militares em Firnag, uma das áreas mais populosas da capital, e Ain Zara. A emissora afirmou que não houve vítimas.

 

Operações da Otan

Chefes de defesa da Otan se reuniram em Belgrado para discutir a campanha militar na Líbia, depois que o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, acusou alguns aliados europeus de não estarem se empenhando fortemente na operação.

As relações ficaram estremecidas na Otan, onde alguns países estão relutantes quanto a comprometer mais recursos necessários para manter a campanha de bombardeios nos próximos meses.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, se reunirá com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, em Londres, para avaliar a operação, que já dura quase três meses e não conseguiu até o momento remover Kadafi do poder ou permitir que os rebeldes tomem Trípoli.

Um alto comandante da Otan pareceu pôr em dúvida a capacidade de levarem adiante uma intervenção de longo prazo.

"Estamos realizando esta operação com todos os meios que temos... Se for para durar muito, claro, a questão dos recursos se tornará crítica", disse o general Stephane Abrial, na noite de terça-feira.

 

Baixas nas forças de Kadafi

 

Pelo menos 75 membros das forças leais ao coronel Muamar Kadafi morreram nos últimos três dias em combates com os rebeldes líbios perto da zona petrolífera de Brega, na região oriental do país, asseguraram nesta quarta-feira fontes insurgentes à emissora "Al Jazeera".

 

As mesmas fontes revelaram que cerca de 100 homens leais a Kadafi ficaram feridos nos combates.

 

Os rebeldes lançaram uma ofensiva no domingo passado contra as forças do regime perto de Brega, mas caíram na segunda-feira em uma emboscada das tropas do regime que provocou 22 mortes e deixou 65 pessoas feridas em suas fileiras.

Num indício de que as forças de Kadafi podem estar ficando esgotadas, os rebeldes capturaram a cidade de Kikla, situada a 150 quilômetros de Trípoli. Também avançaram vários quilômetros para oeste de Misrata, seu reduto, chegando no entorno de Zlitan, que está sob controle do governo.

Mas eles têm um longo caminho pela frente para conseguirem ser bem-sucedidos na conquista do território da capital líbia, que está sendo bem defendido por Kadafi.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIABOMBASOESTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.