Tropas sírias e milícia pressionam para tomar áreas sunitas

O exército sírio intensificou uma ofensiva nos redutos da oposição sunita na cidade de Homs, mobilizando forças terrestres e a milícia leal ao governo para garantir o controle de um entroncamento rodoviário importante, disseram fontes da oposição nesta sexta-feira.

KHALED YACOUB OWEIS, Reuters

25 de janeiro de 2013 | 13h18

Cerca de 15 mil civis sunitas estão encurralados no extremo sul e oeste da cidade perto do cruzamento das principais artérias norte-sul e leste-oeste da Síria, cruciais para viagens do exército entre Damasco e a costa do Mediterrâneo, disseram ativistas da oposição em Homs.

Rebeldes afirmam ter se mudado para novas áreas de Homs neste mês para aumentar seu território, o que poderia explicar a ofensiva.

De acordo com ativistas, os rebeldes haviam pedido que não informassem sobre os novos avanços, para evitar ataques de retaliação.

Ativistas em Homs, afirmaram que uma série de ataques matou pelo menos 120 civis e 30 combatentes da oposição desde o domingo.

No sul, oito membros da inteligência militar da Síria foram mortos por um militante islâmico na explosão de um carro-bomba na noite de quinta-feira, afirmaram ativistas da oposição e um grupo de monitoramento da violência nesta sexta-feira.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos afirmou que a bomba foi plantada pela Al-Nusra, uma unidade rebelde que luta para derrubar o presidente sírio Bashar al-Assad, rotulada pelos Estados Unidos como um grupo terrorista.

Autoridades sírias baniram a maioria da mídia independente, o que dificulta a verificação das informações in loco.

O conflito de quase dois anos já matou cerca de 60 mil pessoas e criou um xeque-mate militar, enquanto centenas de milhares de refugiados inundam países vizinhos.

(Reportagem adicional de Oliver Holmes, Mariam Karouny e Reuters TV in Beirute, Dan Williams in Jerusalém)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAOFENSIVAHOMS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.