Trump agradece e exalta poderio militar dos EUA e dos aliados após ataques à Síria

Trump agradece e exalta poderio militar dos EUA e dos aliados após ataques à Síria

Presidente americano disse que resultado dos ataques não poderia ter sido melhor

O Estado de S. Paulo

14 Abril 2018 | 09h54

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, usou sua conta pessoal no Twitter para agradecer aos aliados Reino Unido e França e exaltar o poderio  militar após ataque conjunto contra a Síria na noite dessa sexta-feira, 13.

+++ Ataque à Síria: tudo o que você precisa saber

+++ Merkel se pronuncia e diz ser 'necessário' ataque dos EUA à Síria

+++ Ataque foi 'agressão bárbara e brutal', dizem fontes ligadas ao governo sírio

Em um dos tweets, publicado na manhã deste sábado, ele escreve: "Um ataque executado com perfeição na noite passada. Obrigado à França e ao Reino Unido por sua sabedoria e o poder de seu Exército. Não poderíamos ter tido um resultado melhor. Missão cumprida!"

O ataque coordenado realizado na noite dessa sexta-feira foi uma retaliação ao uso de armas químicas em ataque ocorrido na Síria há pouco mais de uma semana. Em outro tweet, publicado por Trump também neste sábado, o presidente se diz orgulhoso da força militar americana.

"Estou tão orgulhoso do nosso grande Exército, que logo será, após o uso de bilhões de dólar já aprovados, o melhor Exército que já tivemos. Não haverá nenhum outro que chegue nem perto"

Pentágono

O departamento de defesa dos Estados Unidos assegurou neste sábado, 14, em entrevisa coletiva, que o ataque alcançou todos os objetivos esperados, "com êxito", destacando que nenhum dos mísseis lançados pelas aeronaves militares da coalizão entre americanos, britânicos e franceses foi interceptado pelas forças do regime de Bashar al-Assad. "Esta operação foi cuidadosamente orquestrada para evitar mortes de civis. Alcançamos com êxito cada objetivo", disse a porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, Dana White.

"A operação cerceia a capacidade da Síria de desenvolver e desdobrar novos ataques químicos no futuro", afirmou o tenente-general das Forças Armadas americanas, Kenneth McKenzie, que também se pronunciou publicamente ao lado de Dana White. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.