TV do Irã diz que cientista iraniano escapou de agentes americanos

País acusa EUA de terem sequestrado físico nuclear desaparecido há três meses

Reuters,

29 de junho de 2010 | 20h10

TEERÃ- A televisão estatal iraniana transmitiu nesta terça-feira, 29, o que afirmou ser um vídeo do cientista nuclear desaparecido Shahram Amiri, o terceiro divulgado que mostra um homem que Teerã afirma ter sido sequestrado pela CIA.

 

Veja também:

linkEUA, França e Rússia propõem negociações nucleares com Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

Nele, o homem diz que escapou de agentes americanos e que está escondido, rejeita a autenticidade de um vídeo publicado na internet atribuído a ele e pede a grupos de direitos humanos que o ajudem a voltar ao Irã.

 

"Minutos atrás eu consegui escapar de agentes de segurança do Irã no estado da Virgínia. Agora estou em um local seguro fazendo esse vídeo", afirma. "Eu posso ser preso novamente por agentes de segurança americanos a qualquer momento (...). Eu não sou livre aqui e não tenho permissão para fazer contato com minha família ou outros, e se qualquer coisa acontecer comigo ou se eu não voltar para o (meu) país, o governo americano é diretamente responsável", acrescentou o homem.

 

Amiri, um pesquisador acadêmico que trabalha para a Organização Atômica do Irã, desapareceu durante uma peregrinação religiosa para a Arábia Saudita há um ano. Então, o Irã acusou o país de entregar o físico aos Estados Unidos, o que a Arábia Saudita nega.

 

Neste mês, o canal estatal iraniano mostrou o vídeo de um homem que afirmou ser Amiri. Na transmissão, ele disse que havia sido raptado, levado aos Estados Unidos e torturado. Pouco depois desse vídeo, um segundo foi divulgado na web, também mostrando um homem que dizia ser Amiri, no qual ele diz que estava atualmente estudando nos Estados Unidos.

 

O homem em todos os vídeos é muito parecido com fotografias de Amiri que foram publicadas anteriormente na imprensa iraniana, embora nenhuma delas tenha sido verificada independentemente pela Reuters.

 

O governo do Irã convocou neste mês o embaixador suíço em Teerã, que representa os interesses americanos na República Islâmica, e o entregou documentos que, segundo Teerã, comprovam o sequestro do cientista pelos EUA.

 

Em março, o canal ABC News afirmou que Amiri fugiu para os Estados Unidos e estava ajudando a CIA, o que foi negado por um porta-voz da agência de inteligência.

 

Teerã se nega a reconhecer o envolvimento de Amiri em seu controverso programa nuclear, acusado pelo Ocidente de ter como objetivo construir armas nucleares, o que o país nega.

 

Três meses após o desaparecimento de Amiri, o Irã revelou a existência de seu segundo reator de enriquecimento de urânio, aumentando a tensão sobre seu programa nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.