UE lembra Israel que assentamentos em Jerusalém são ilegais

Entidade nunca reconheceu anexação de Jerusalém Oriental, e diz que assentamentos são obstáculos à paz

Efe

30 de junho de 2010 | 08h09

BRUXELAS - A União Europeia lembrou nesta quarta-feira, 30, a Israel que sua atividade de assentamentos e a demolição de imóveis palestinos são "ilegais" e representam "um obstáculo" à paz.

 

"Os assentamentos e a demolição de casas são ilegais segundo a legislação internacional, constituem um obstáculo a solução de dois Estados", afirmou em comunicado a alta representante da UE para Política Externa, Catherine Ashton.

 

"Estou preocupada com a atividade relacionada aos assentamentos em Jerusalém Oriental e os distúrbios em Silwan", um bairro palestino da cidade, acrescentou Ashton.

 

Dezenas de palestinos e policiais israelenses ficaram feridos no último domingo em confrontos em Silwan, onde foi aprovada a demolição de 22 imóveis.

 

Ashton lembrou que "a União Europeia nunca aceitou a anexação de Jerusalém Oriental" por Israel.

 

Enquanto isso, o enviado especial dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, inicia hoje em Jerusalém sua quarta rodada de contatos entre israelenses e palestinos nas quais exerce o papel de mediador, a fim de relançar o processo de paz, no qual a continuação dos assentamentos israelenses está se transformando em um dos principais problemas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.