UE responde com cautela à proposta iraniana

Chanceler do Irã revelou na sexta-feira detalhes de um possível acordo para garantir uso não-militar do urânio

estadao.com.br,

06 de fevereiro de 2010 | 08h40

A União Europeia (UE) respondeu com cautela neste sábado, 6, à declaração do chanceler iraniano, Manouchehr Mottaki, sobre a possibilidade do país estar próximo de alcançar um acordo com as potências mundiais em relação ao seu programa nuclear.

 

Veja também:

link Irã diz que acordo para enriquecer urânio no exterior 'está próximo'

 

Em Munique, onde participa de uma conferência internacional que reúne autoridades de segurança, a chefe das Relações Exteriores da UE, Catherine Ashton, afirmou que o Irã deve apresentar sua proposta à diretora da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano. Um encontro entre Amano e ministro iraniano está marcado para este sábado.

 

Mottaki, que também participou da conferência na Alemanha, disse na sexta-feira, 5, que um acordo entre o Irã e a comunidade internacional, pelo qual urânio iraniano seria enriquecido no exterior e só então devolvido ao país para uso não-militar, poderia ser alcançado em um futuro "não tão distante".

 

A chefe das Relações Exteriores da UE também disse que as políticas "criativas" do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em relação ao Irã até o momento não obtiveram uma resposta à altura das autoridades do país. "Existe a necessidade de restaurar a confiança na natureza pacífica do programa iraniano", indicou. "Isso precisa ser feito através do diálogo."

 

O chanceler alemão, Guido Westerwelle, que também estava presente no encontro em Munique, fez coro às declarações de Ashton e disse que o Irã não conseguiu até o momento convencer a comunidade internacional de que o país está realmente intencionado a fazer concessões no seu programa de enriquecimento do urânio.

 

"Nossas mão ainda estão estendidas na direção deles. Mas no momento, estão estendidas em direção ao nada", ele disse. "E eu não vi nada desde ontem que me faça querer mudar minha visão."

 

Por sua vez, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, James Jones, afirmou que o Irã deve satisfazer as demandas da comunidade internacional em relação ao seu programa nuclear ou enfrentar novas sanções e maior isolamento.

 

"O grau sem precedentes de consenso internacional demonstra que Teerã precisa ir ao encontro de suas responsabilidades ou enfrentar sanções mais amplas e maior internacional crescente", disse Jones durante a conferência internacional em Munique.

 

Na sexta-feira, 5, o chanceler iraniano, Manouchehr Mottaki, disse que o país está próximo de alcançar um acordo com as potências mundiais em relação ao seu programa nuclear. Mottaki deve discutir neste sábado a questão com a diretora da AIEA. Segundo a proposta da agência da ONU, o Irã entregaria seu urânio enriquecido a 3,5% e receberia o material enriquecido a 20%, de uma forma que dificultaria seu uso para a construção de uma bomba.

 

Com informações da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
IrãUniao EuropeiaPrograma Nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.