Viajantes americanos foram presos pelo Irã no Iraque, diz Wikileaks

Segundo relatório do dia da detenção, grupo de três jovens estava do lado iraquiano da fronteira

22 de outubro de 2010 | 23h10

WASHINGTON- Três americanos detidos pelo Irã em julho de 2009 sob suspeitas de espionagem por terem entrado ilegalmente no Irã foram capturados do lado iraquiano da fronteira, de acordo com um relatório dos EUA entre os documentos vazados pelo Wikileaks nesta sexta-feira, 22.

 

O documento, escrito no dia da prisão dos jovens, em 31 de julho, afirma que os americanos ignoraram avisos indeterminados em suas trilhas, e também prevê que Teerã iria acusá-los de espionagem, o que acabou acontecendo.

 

Shane Bauer e Josh Fattal estão sendo mantidos em uma prisão em Teerã. A terceira acusada, Sarah Shourd, voltou aos Estados Unidos após ser libertada em setembro.

 

"A liderança no Irã se beneficia mais enquanto foca a população iraniana em uma perseverante ameaça externa ao invés de dissensões internas", afirma o relatório.

 

O documento, um relatório de campo não definitivo, foi divulgado primeiro pela edição online do The New York Times, está entre os 400.000 informes militares secretos revelados hoje pelo site de Julian Assange.

 

Embora eles pareçam autênticos, a origem dos documentos não foi independentemente confirmada, e o Wikileaks se recusa a dar detalhes sobre o assunto. O Pentágono em um primeiro momento estava inclinado a confirmar a autenticidade dos vazamentos, mas empregou mais de cem analistas para revisar o que foi publicado antes.

Tudo o que sabemos sobre:
WikileaksSarah Shourd

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.