Vice-líder da Al Qaeda promete vingança após morte de comandante

Em um vídeodivulgado na quarta-feira pela Internet, o segundo homem nacadeia de comando da Al Qaeda, Ayman al-Zawahri, prometeuvingança pela morte de um importante comandante da rede em umsuposto ataque realizado pelos EUA no Paquistão. "Nenhum de nossos chefes morreu e nem nosso sangue foivertido sem que tenha havido uma resposta", disse Zawahri novídeo colocado em um site islâmico, referindo-se ao assassinatode Abu Laith al-Libi. Libi, considerado um dos principais tenentes no Afeganistãode Osama bin Laden, o líder da Al Qaeda, foi morto em umsuposto ataque com míssil realizado pelos Estados Unidos e noqual perderam a vida até 13 militantes estrangeiros. O ataqueaconteceu em uma área de fronteira do Estado paquistanês doWaziristão do Norte, no final de janeiro. "Se um de nossos chefes cai, um outro levanta-se no lugardele," afirmou Zawahri, sem realizar qualquer ameaçaespecífica. "Então, ó, americanos e agentes dos americanos, busquemajuda entre os que tentam fugir... Não haverá ajuda paravocês", disse, referindo-se a clérigos muçulmanos quecriticaram os militantes jihadistas. O vídeo foi produzido pelo braço midiático da Al Qaeda, oAs-Sahab, e divulgado com legendas em inglês. A importância de Libi dentro da Al Qaeda ficou clara no anopassado, quando ele apareceu em um vídeo ao lado do vice-líderdo grupo. Libi foi o primeiro a vir a público anunciar que BinLaden tinha sobrevivido à invasão do Afeganistão liderada pelosEUA no final de 2001. Meios de comunicação dos EUA disseram que o militante,nascido na Líbia, seria o responsável por um atentado suicidaque, em fevereiro de 2007, matou 23 pessoas do lado de fora dabase de Bagram, a maior dos EUA no Afeganistão. Aquele ataqueaconteceu durante uma visita do vice-presidentenorte-americano, Dick Cheney, ao local. Em outubro, os militares dos EUA identificaram Libi evários outros líderes de "médio escalão" da Al Qaeda e doTaliban, oferecendo uma recompensa de 200 mil dólares por ele,informaram meios de comunicação norte-americanos. (Reportagem de Firouz Sedarat)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.