Vice-presidente eleito dos EUA encontra líderes no Afeganistão

Joe Biden se reuniu com presidente afegão e também com general que comanda as tropas estrageiras no país

Reuters

10 de janeiro de 2009 | 17h43

O vice-presidente eleito dos Estados Unidos Joe Biden se reuniu com o presidente afegão Hamid Karzai e líderes militares neste sábado, 10, no Afeganistão, em uma demonstração do que será prioridade da política estrangeira da nova administração. Estima-se que uma das primeiras decisões do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, seja o envio de 30 mil homens em tropas adicionais para o Afeganistão afim de tentar conter os insurgentes do Talibã antes das eleições no país em setembro. Biden também se encontrou com o general David McKiernan, comandante da tropa de 65 mil soldados estrangeiros presentes no Afeganistão. "É um grande trabalho o que vocês estão fazendo aqui. Vocês estão fazendo um grande sacrifício neste ambiente (desafiador)", disse Biden, segundo a Otan, ao se encontrar com as tropas em Cabul, antes de dizer a McKieran que está ansioso para trabalhar com ele. Mais cedo, Biden se reuniu com representante especial da Organização das Nações Unidas (ONU) ao Afeganistão, Kai Eide, e discutiu segurança, coordenação de doadores, reforma política e cooperação regional.  Como presidente do influente Comitê de Relações Exteriores do Senado, Biden já fez diversas viagens para o Afeganistão e diplomatas dizem que ele conhece detalhadamente o país. Após forças lideradas pelos Estados Unidos derrubarem o governo do Taliban por proteger líderes da Al-Qaeda envolvidos nos ataques de 11 de setembro, analistas dizem que a administração do presidente George W. Bush desviou seu olhar do Afeganistão para concentrar recursos militares e financeiros no Iraque. O Talibã se reagrupou e relançou a insurgência em meados de 2005 e o conflito avançou dos redutos do grupo no sul e leste para os arredores da capital Kabul.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoJoe BidenBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.