Vídeo mostra líbios socorrendo embaixador dos EUA após ataque

Um vídeo amador parece mostrar líbios tentando retirar o diplomata norte-americano Christopher Stevens de uma sala cheia de fumaça no consulado dos EUA em Benghazi, onde ele foi achado desacordado depois do ataque cometido na semana passada por uma multidão enfurecida com um filme ofensivo ao profeta Maomé.

SULEIMAN AL-KHALIDI, Reuters

17 de setembro de 2012 | 19h36

Stevens, embaixador dos EUA na Líbia, morreu no incidente.

O vídeo, difundido pela Internet e obtido pela Reuters em Benghazi, confirma relatos indicando que o diplomata morreu asfixiado devido a um incêndio no prédio.

As imagens também esclarecem parcialmente as circunstâncias da morte de Stevens, sugerindo que algumas das próprias pessoas que invadiram o consulado tentaram posteriormente salvá-lo ao encontrarem-no sozinho, desmaiado, sem seguranças ao seu redor.

Jovens que antes haviam participado da invasão aparecem à luz de lanternas e celulares dizendo a outros manifestantes que eles haviam encontrado uma pessoa -aparentemente um estrangeiro- caído no chão.

"Tem alguém lá dentro ... Ele é um estrangeiro, é um estrangeiro. Tragam-no para fora", diz um homem, gritando por socorro.

"Tragam-no para fora, cara! Tragam-no para fora", diz outro. "O homem está vivo. Tragam-no para fora, cara", afirma um terceiro.

"Vivo, vivo! Deus é grande", gritava a multidão. Alguém pede um carro.

"Deem espaço, tem alguém por aí que seja médico? Alguém que arrume um carro rapidamente", ouve-se outro homem dizer.

Além de Stevens, três outros funcionários diplomáticos dos EUA morreram no ataque ao consulado e a uma casa de hóspedes, na noite de terça-feira passada. Esse foi um dos muitos protestos ocorridos nos últimos dias no mundo islâmico contra um filme semiamador, feito nos EUA, que mostra Maomé como mulherengo, homossexual e abusador de crianças. (Reportagem adicional de Omar Al-Mosmari e Marie-Louise Gumuchian)

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAVIDEOEMBAIXADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.