Vídeo mostra rebeldes fazendo emboscada contra forças sírias

Um vídeo gravado nesta quarta-feira por rebeldes sírios contrários ao governo mostrou um grupo de combatentes realizando uma emboscada contra um comboio de forças de segurança, soltando disparos contra o grupo durante cerca de um minuto antes de recuar.

MARIAM KAROUNY, REUTERS

28 de dezembro de 2011 | 18h26

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos disse que ao menos quatro soldados do governo morreram na emboscada, que foi realizada pelo Exército Livre da Síria, um grupo que reúne desertores do Exército e rebeldes armados.

O observatório informou que a emboscada foi feita em uma rua perto do vilarejo de Dael, no sul do país, centro da revolta que eclodiu há nove meses contra o governo de Bashar al-Assad.

O vídeo, com menos de três minutos de duração, mostra nove homens armados com fuzis automáticos em cima do que parece ser um telhado de uma casa abandonada, cercada de árvores em frente a uma rua principal.

Uma voz então é ouvida contando os veículos, antes de afirmar "10 ônibus". Outra voz impaciente diz que eles não deveriam esperar mais. E então uma onda de tiros irrompe.

Os atiradores disparam contra os ônibus durante um minuto. O cinegrafista então abre o panorama para mostrar um pôster estampado com um logo do Exército Livre Sírio. A voz convoca a retirada, e eles começam a recuar enquanto tiros ainda são ouvidos ao fundo.

Uma equipe de monitores árabes, que estão na Síria para avaliar se o governo sírio encerrou a repressão contra os protestos, deve visitar Deraa nesta quinta-feira.

A Organização das Nações Unidas afirma que mais de 5 mil pessoas já morreram, enquanto a Síria alega que está combatendo grupos armados, acusando esses de matar ao menos 2 mil membros das forças do governo.

(Reportagem de Mariam Karouny)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAVIDEOEMBOSCADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.