Violência no Iraque aumenta com ataques a bomba

Do outro lado, baixas civis e de militares dos EUA tiveram uma queda acentuada

REUTERS,

18 de novembro de 2007 | 17h33

Pelo menos 17 pessoas foram mortas por explosões em Bagdá e outras cidades iraquianas no domingo, informaram autoridades e a polícia. Nove pessoas foram mortas e pelo menos vinte ficaram feridas em um dos piores ataques na capital do Iraque em várias semanas. A polícia disse que os ataques visavam atingir o assessor do Ministério das Finanças Salman al-Mugotar.  Uma fonte do Ministério das finanças disse que Mugotar não ficou ferido na explosão na praça al-Hurriya, no bairro de Karrada, em Bagdá. Pelo menos duas das pessoas feridas são guardas de segurança de Mogotar, segundo informes.  O general de brigada Abdul-Karim Khalaf, porta-voz do Ministério do Interior, disse que o carro visado pelo ataque pertencia a Satar Jabar, editor-chefe do jornal Novo al-Bayna. Ele disse que Jabar estava no carro, mas não ficou ferido. Uma testemunha da Reuters presente à cena viu dois corpos carbonizados na traseira de um caminhão da polícia.  Bombas caseiras feriram duas pessoas em Ameen, um bairro no sul de Bagdá, e duas pessoas em Kesra, bairro no norte de Bagdá. Foguetes e morteiros foram disparados no bairro de Rustumiya, sul de Bagdá, segundo a polícia, mas detalhes sobre mortos e feridos não foram divulgados.  Baixas  As baixas civis e de militares dos EUA tiveram uma queda acentuada nos últimos dois meses, assim como o número de ataques. A queda foi atribuída ao envio de mais 30 mil soldados dos EUA, melhorando as forças de segurança do Iraque e expandindo o uso de unidades policiais de bairro, organizadas por xeques tribais sunitas e apoiadas por tropas norte-americanas.  Entretanto, autoridades norte-americanas e iraquianas disseram que os conflitos sectários entre a maioria xiita e a minoria sunita, em que morreram milhares de iraquianos, poderão voltar a se inflamar.  Em Baquba, cidade de etnias mistas a 65 quilômetros ao norte de Bagdá, uma bomba caseira atirada contra uma patrulha dos EUA matou pelo menos três crianças, duas delas da mesma família, e feriu sete pessoas, informou a polícia.  Em Mosul, 390 quilômetros ao norte de Bagdá, uma bomba em um carro estacionado que tinha como alvo uma patrulha da polícia matou três pessoas, incluindo uma mulher, disse a polícia. Quatro policiais estavam entre os 16 feridos.  Um oficial do Exército e um soldado iraquiano morreram e um soldado iraquiano ficou ferido, quando os três tentavam desarmar uma bomba caseira, em Tikrit, 175 quilômetros ao norte de Bagdá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.