Violência no Iraque deixa ao menos 42 mortos

Pelo menos 42 pessoas morreram em ataquesno Iraque nesta terça-feira, incluindo 14 membros de umafamília que voltava de ônibus de um funeral em Nassiriya, nosul do país, informaram autoridades do setor de segurança. A violência caiu cerca de 60 por cento em todo o Iraquedesde junho, mas os ataques desta terça-feira demonstram afragilidade dos ganhos duramente conquistados na segurança dopaís. Policiais presentes no hospital de Nassiriya disseram queentre as vítimas havia crianças. Ao menos dez e no máximo 22pessoas ficaram feridas. O major Tom Holloway, porta-voz das forças britânicasestacionadas na cidade de Basra (sul), afirmou que o ônibus iarumo ao sul, da cidade sagrada xiita de Najaf para Basra,quando foi atingido por uma "enorme" bomba plantada ao lado daestrada. A explosão ocorreu 60 quilômetros ao sul de Nassiriya,capital da Província de Dhi Qar. Segundo Holloway, peritos iraquianos em explosivospresentes no local disseram que todas as vítimas tinham sidomortas pela bomba, aparentemente montada para atingir umcomboio militar dos EUA que se dirigia ao norte, na mesmaestrada. Vários policiais iraquianos, no entanto, sugeriram que ossoldados norte-americanos do comboio abriram fogoindiscriminadamente depois da explosão da bomba, matando eferindo vários dos ocupantes do ônibus. Porta-vozes das Forças Armadas dos Estados Unidos não foramencontrados para comentar o assunto. Em Kut, 170 quilômetros a sudeste de Bagdá, pelo menos 10pessoas foram mortas em confrontos entre forças de segurançairaquianas e a milícia Exército Mehdi, ligada ao clérigo xiitaMoqtada al-Sadr, disse uma fonte no hospital al-Zahraa, em Kut. Entre os mortos estão três meninos. Ficaram feridas 18pessoas, incluindo pelo menos cinco policiais, disse a mesmafonte. Sadr liderou o Exército Mehdi em duas rebeliões contra asforças dos EUA, em 2004, mas no mês passado ele renovou pormais seis meses seu compromisso com um cessar-fogo, anunciadopela primeira vez em agosto. Os comandantes dos EUA têmelogiado a trégua por contribuir para o declínio da violência. Não há informações sobre a causa dos confrontos em Kut, masSadr havia emitido um comunicado no fim de semana autorizandosua milícia a agir em autodefesa, se fosse atacada.Em um ataque contra um posto de controle em Mosul, ao norte deBagdá, a polícia disse que foram mortos quatro policiaisiraquianos, quatro militantes armados e um civil. Militares dosEUA consideram Mosul o último grande reduto urbano da rede AlQaeda no Iraque. Em Dhuluiya, também ao norte da capital, um atentadosuicida com carro-bomba contra outro posto de controle matoucinco pessoas, incluindo três membros de uma unidade desegurança local, e feriu outras 14, disse o coronel Ibrahimal-Jubouri. O porta-voz militar dos EUA, contra-almirante Greg Smith,reconheceu no fim de semana que houve aumento da violência noIraque, mas disse que os militares não acreditam que issorepresente uma tendência. (Reportagem adicional de Ross Colvin, Mohammad Abbas, AhmedRasheed e Waleed Ibrahim em Bagdá)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.