Violência no Oriente Médio ofusca conferência de doadores

Países doadores de ajuda secomprometeram nesta terça-feira a entregar 242 milhões dedólares para instituições legais e polícia palestinas, mas oencontro foi ofuscado pelas notícias de um ataque de fogueteque rompeu uma trégua em vigor havia cinco dias na Faixa deGaza. Militantes na Faixa de Gaza, área controlada pelo Hamas,dispararam pelo menos dois foguetes contra o sul de Israeldepois que tropas israelenses mataram dois palestinos naCisjordânia ocupada. Em seus discursos na abertura do evento, representantes dospaíses que participam da conferência de Berlim haviam elogiadoa trégua em Gaza, iniciada na quinta-feira, mas a questão decomo lidar com o grupo islâmico Hamas em Gaza dividiu osdiplomatas. O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, desencadeouuma forte reação dos Estados Unidos ao dizer que areconciliação entre os palestinos na Gaza governada pelo Hamascom os da Cisjordânia administrada por Mahmoud Abbas, que tem oapoio do Ocidente, é essencial para a paz e é necessárioremover o "veto" internacional a essa iniciativa. Moussa não citou nenhum país em especial, mas afirmou:"Isto é responsabilidade de todos nós... Os palestinos precisamter só um front." A secretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice,surpreendeu os participantes ao pedir para responderdiretamente a Moussa. "Você não pode ter paz se não há um parceiro que respeite odireito do outro parceiro de existir", disse ela, em umaaparente referência ao Hamas, com o qual os EUA se recusam anegociar porque não reconhece Israel nem os acordospalestino-israelenses. As partes também têm de renunciar à violência e cumprir asobrigações internacionais, afirmou ela. O Hamas, que desalojou a Fatah do poder em Gaza em combatesum ano atrás, se opõe às conversações de paz de Abbas comIsrael. A chanceler alemã, Angela Merkel, também reiterou seu apoioao boicote contra o Hamas. A trégua mediada na semana passada pelo Egito estabeleceque o Hamas deve impedir os ataques de foguetes a partir daFaixa de Gaza. Israel qualificou os ataques de foguetes desta terça-feirade uma "clara violação" da calma e informou que analisará suasopções (de reação). O grupo militante Jihad Islâmica assumiu aresponsabilidade pelos disparos. (Reportagem adicional de Paul Carrel)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.