Yusuf Islam, ex-Cat Stevens, lança canção para vítimas de Gaza

Música para arrecadar fundos para agência da ONU e Save The Children está disponível para download

Agências internacionais,

27 de janeiro de 2009 | 13h46

O cantor britânico Cat Stevens, que agora se chama Yusuf Islam, lançou na segunda-feira, 26, uma canção para fins beneficentes e cuja receita será doada a uma agência das Nações Unidas que ajuda refugiados na Faixa de Gaza. O cantor, que mudou seu nome original quando tornou-se muçulmano, vai doar o dinheiro obtido com "The Day the World gets Round" à UNRWA, a agência das Nações Unidas de assistência aos refugiados palestinos, e à organização Save the Children, para ajudar famílias na Faixa de Gaza, anunciou a UNRWA em comunicado.  Gravada originalmente pelo falecido ex-beatle George Harrison, a canção tem Islam nos vocais e Klaus Voorman, conhecido por muitos como o "quinto beatle", no baixo. Islam disse que espera que a música "ajude a lembrar às pessoas do imenso legado de amor, paz e felicidade que podemos compartilhar quando refletimos sobre as guerras e os preconceitos inúteis da humanidade e começamos a mudar nossos hábitos tolos". A canção está disponível para download no endereço http://www.jamalrecords.com/cgi-bin/commerce.cgi?display=home.  A ofensiva israelense de três semanas na Faixa de Gaza matou 1.300 palestinos, 700 dos quais civis. A guerra, que começou em 27 de dezembro, terminou pelo menos temporariamente em 18 de janeiro, quando Israel e o Hamas iniciaram tréguas separadas. Israel diz que lançou a ofensiva devido aos foguetes disparados pelo Hamas contra seu território, que já mataram pelo menos 21 israelenses desde 2001. A UNRWA disse que abrigou mais de 50 mil civis em mais de 50 abrigos improvisados, a maioria em escolas, e que tem sido um centro vital de distribuição de ajuda. A agência da ONU também está exercendo papel de liderança nos esforços de recuperação depois da guerra, além de fornecer educação, atendimento de saúde e serviços sociais. Isso inclui escolas para mais de 196 mil crianças e assistência alimentar a mais de 750 mil refugiados.  Autoridades israelenses já barraram a entrada do cantor no país duas vezes sob suspeita de que ele levasse dinheiro para grupos de caridade ligados aos militantes islâmicos. Yusuf Islam negou as acusações. Ele aumentou a controvérsia em 1989, quando fez comentários apoiando a decisão do Irã de pedir pela morte do escritor Salman Rushdie, ocasião em que ele afirma ter sido mal entendido.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosFaixa de GazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.