Coreia do Norte julgará jornalistas dos EUA por 'ato hostil'

Euna Lee e Laura Ling foram presas acusadas de entrar ilegalmente no país pela fronteira com a China

Reuters,

24 de abril de 2009 | 09h01

A Coreia do Norte levará a julgamento duas jornalistas dos EUA presas no mês passado na fronteira com a China, disse a imprensa estatal nesta sexta-feira, 24, agravando as tensões decorrentes do lançamento de um foguete norte-coreano. Euna Lee e Laura Ling, da emissora norte-americana Current TV, foram detidas em março à margem de um rio que separa a China da Coreia do Norte. Pyongyang as acusou de entrar ilegalmente em seu território com uma intenção "hostil".

 

O anúncio coincide com o final de uma visita a Pyongyang do chanceler russo, Sergei Ivanov, que pressionou o regime local a não retomar seu programa de armas nucleares."Um órgão competente da RDPC (Coreia do Norte) concluiu as investigações sobre os jornalistas dos Estados Unidos. O órgão decidiu formalmente levá-las a julgamento com base nos crimes confirmadamente cometidos por elas", disse a agência estatal de notícias KCNA em uma breve nota. O Departamento de Estado dos EUA não se pronunciou.

 

Neste mês, a Coreia do Norte chamou a atenção do mundo com o lançamento de um foguete que, segundo os EUA e seus aliados, na verdade serviu como teste de um míssil de longa distância, algo proibido por sanções da ONU de 2006. A ONU criticou o fato e prometeu uma fiscalização mais rígida das sanções, o que levou Pyongyang a expulsar inspetores nucleares estrangeiros, abandonar as negociações multilaterais de desarmamento e anunciar a reativação de sua fábrica de plutônio enriquecido.

 

Durante sua visita, Lavrov disse que não haverá solução fácil para o impasse, mas que todos os envolvidos nas negociações multilaterais não devem desistir do processo. A KCNA disse que a delegação russa "reconfirmou sua posição prévia de oposição a (novas) sanções da ONU contra a RDPC, e prestou atenção à nossa posição de que as negociações a seis partes já não são mais úteis".

 

A KCNA disse ainda que Lavrov entregou uma carta do presidente Dmitry Medvedev ao dirigente norte-coreano Kim Jong-il, mas não ficou claro se o chanceler o encontrou. Lavrov chegou na sexta-feira a Seul para reuniões com funcionários locais.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.