EFE/ Kimimasa Mayama
EFE/ Kimimasa Mayama

Após vitória nas eleições, Shinzo Abe quer reformar Constituição pacifista

Partidos que defendem modificações ganharam cerca de 80% dos assentos da Câmara do Japão; resultado consolida Partido Constitucional Democrata como o maior grupo de oposição às mudanças propostas

O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2017 | 09h55

TÓQUIO - O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, fortalecido por uma vitória eleitoral consistente de parlamentares que defendem uma revisão da Constituição pacifista pós-guerra, sinalizou nesta segunda-feira, 23, um novo esforço para atingir o objetivo de longa data, mas precisará convencer uma população ainda dividida.

+ Gilles Lapouge: Inquietação no Japão

Partidos que defendem uma modificação na Carta elaborada pelos EUA ganharam quase 80% dos assentos na eleição da Câmara japonesa no domingo, indicaram contagens da imprensa local.

+ Premiê do Japão anuncia eleições antecipadas

O resultado consolidou o novo Partido Constitucional Democrata (CDPJ) como o maior grupo de oposição às mudanças propostas por Abe.

Formado por membros liberais do Partido Democrático, que implodiu antes da eleição e não existe mais na Câmara, o CDPJ conseguiu 55 assentos, segundo uma contagem final da emissora pública NHK. O bloco governista conquistou 313 assentos da Câmara, que tem 465 membros.

Abe disse querer convencer outros partidos, incluindo a nova legenda conservadora da governadora de Tóquio, Yuriko Koike, o Partido da Esperança, e não insistirá em um objetivo proposto neste ano de mudar a Constituição até 2020.

“Nós conquistamos uma maioria de dois terços como o bloco governista, mas é necessário se esforçar para formar um amplo acordo entre o bloco governista e a oposição (para revisar a Constituição)”, disse Abe em entrevista coletiva.

“E então nós visamos ganhar a compreensão do povo, para que possamos ganhar uma maioria em um referendo”, destacou Abe. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.