ICTY via REUTERS TV
ICTY via REUTERS TV

Procuradoria da Holanda confirma que líquido ingerido por ex-general suicida era veneno

Substância não foi identificada pelas autoridades que investigam o caso; ex-comandante se matou dentro de Corte de Haia

O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2017 | 15h15

HAIA - A Procuradoria da Holanda confirmou na tarde desta quinta-feira, 30, que o líquido ingerido pelo ex-general croata Slobodan Praljak durante uma audiência de apelação no Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia era realmente veneno. De acordo com as autoridades holandesas, um produto químico letal foi encontrado no frasco do qual o ex-militar, condenado por crimes de guerra, bebeu ao escutar que sua apelação contra sua pena, de 20 anos de prisão, não fora aceita.

Os procuradores investigam a hipótese se suicídio assistido na investigação do caso e buscam descobrir de que maneira o réu obteve o veneno. "A necropsia é nossa principal prioridade e será realizada em um prazo bem curto", declarou o porta-voz da Procuradoria de Haia, Frans Zonneveld, acrescentando que a investigação permitiu descobrir que, dentro do frasco, havia um produto químico que pode provocar a morte. O elemento não foi identificado. "A investigação se orienta para a questão do suicídio assistido e para a violação da regulamentação relativa às substâncias médicas", afirmou a Procuradoria em um comunicado.

Praljak, de 72 anos, ingeriu o líquido letal diante de juízes e advogados no TPII. Foi socorrido, mas morreu no hospital. 

O primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic, manifestou suas "sinceras condolências" à família do ex-comandante militar, afirmando que o caso "ilustra a profunda injustiça moral" cometida pelo tribunal de Haia ao condenar o réu e rejeitar sua apelação.

Não foi a primeira vez que um réu do TPII se suicidou. Em 2006, o ex-líder dos sérvios-croatas Milan Babic, condenado a 13 anos de prisão por abusos cometidos durante a Guerra da Bósnia (1991-1995), cometeu suicídio na prisão em Haia. Em junho de 1998 outro réu sérvio-croata, Slavko Dokmanovic, se matou. / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.