Franck Robichon/EFE
Franck Robichon/EFE

Tóquio realiza simulação de retirada de pessoas por eventual ataque de mísseis

Cerca de 350 cidadãos participaram do exercício, no qual praticaram como sair de espaços ao ar livre e fechados depois que o sistema centralizado via satélite J-Alert alertou com sirenes e alto-falantes sobre o lançamento

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 05h45
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 09h10

TÓQUIO - A capital do Japão realizou nesta segunda-feira, 22, sua primeira simulação para a retirada de cidadãos por um eventual ataque com mísseis, cenário para o qual as autoridades japonesas começaram a se preparar em razão dos repetidos lançamentos de projéteis norte-coreanos.

+ TV pública japonesa alerta por engano para disparo de míssil norte-coreano

Cerca de 350 pessoas participaram do exercício, no qual praticaram como sair de espaços ao ar livre e fechados depois que o sistema centralizado via satélite J-Alert alertou com sirenes e alto-falantes sobre o lançamento.

+ Para premiê, Japão enfrenta maior situação de perigo desde a 2.ª Guerra em razão de Pyongyang

A simulação foi realizada perto da estação e do parque de atrações do estádio Tokyo Dome, e diante da hipotética situação na qual um míssil se dirige ao território japonês, um temor crescente no país desde que dois mísseis norte-coreanos sobrevoaram a Ilha de Hokkaido em agosto e setembro.

Cerca de 200 pessoas participaram de um exercício no parque de diversões, onde foram guiados para um refúgio após a parada de emergência das atrações. Enquanto isso, outras 150 praticaram a saída de forma independente da estação de Korakuen e correram para se refugiar em um edifício próximo. A simulação foi realizada em 10 minutos, levando em conta o tempo estimado entre o lançamento e a colisão de um míssil.

O governo japonês realizou simulações em 25 municípios do país desde março com o objetivo de garantir rapidez na hora de informar à população e facilitar uma retirada de pessoas de forma veloz e segura. / EFE

Reveja: Você sabe qual é o poder militar da Coreia do Norte?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.