John Amis/AP
John Amis/AP

Ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter é hospitalizado para tratar sangramento cerebral

Procedimento para aliviar pressão no cérebro está marcado para a manhã desta terça-feira, 12

Steve Gorman e Dan Whitcomb, Reuters

12 de novembro de 2019 | 00h15

O ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter foi internado nesta segunda-feira, 12, em um hospital em Atlanta para um procedimento que visa aliviar a pressão cerebral causada por sangramentos gerados por quedas recentes, informou a organização Carter Center em comunicado.

Carter, 95, o mais antigo presidente vivo do país, foi internado no Hospital da Universidade Emory três semanas depois de sofrer uma pequena fratura pélvica em uma queda em sua casa em Plains, na Geórgia. Ele foi liberado do hospital alguns dias após o acidente.

Uma queda anterior no início de outubro exigiu pontos no rosto de Carter, mas ele retomou o trabalho logo depois em um projeto de construção de casas para o grupo sem fins lucrativos Habitat for Humanity. Em maio, o ex-presidente democrata quebrou o quadril, também em casa, exigindo que ele se submetesse a uma cirurgia. Ele foi hospitalizado brevemente em 2017 por desidratação e foi diagnosticado com câncer de pele em 2015.

Nenhuma informação foi fornecida imediatamente sobre as circunstâncias que levaram à sua mais recente hospitalização. O procedimento para aliviar a pressão em seu cérebro estava marcado para a manhã desta terça-feira, 12, disse o Carter Center, acrescentando que ele estava "descansando confortavelmente" e que sua esposa, Rosalynn, 92 anos, estava com ele.

Carter, ex-produtor de amendoim e governador da Geórgia, derrotou o presidente republicano Gerald Ford em 1976 para se tornar o 39º presidente do país, cumprindo um mandato de quatro anos na Casa Branca. Sua presidência foi ofuscada por uma recessão econômica, uma crise de energia e a tomada de reféns dos EUA pelo Irã, mas ele também desempenhou um papel de liderança na mediação dos Acordos de Camp David, levando a um tratado de paz Egito-Israel.

Ele perdeu sua candidatura à reeleição em 1980 para o republicano Ronald Reagan. Depois de deixar o cargo em 1981, Carter tornou-se um elemento internacional e um notável humanitário. Ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2002 por seus esforços para encontrar soluções pacíficas para conflitos internacionais, promover a democracia e os direitos humanos e promover o desenvolvimento econômico e social. Ele e sua esposa fundaram o Carter Center em 1982 para continuar seu trabalho internacional e humanitário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.