EFE
EFE

Ministro diz que há 28 feridos após atentado com 'carro-bomba' no Equador

Governo envia 600 homens para região da explosão e decreta estado de exceção

EFE

28 Janeiro 2018 | 00h35

QUITO - O ministro do Interior do Equador, César Navas, disse que há 28 pessoas levemente feridas após a explosão registrada neste sábado, 27, na parte de fora de um prédio da polícia na província de Esmeraldas, fato ao qual o presidente, Lenín Moreno, se referiu como um "ato terrorista ligado a grupos de traficantes de drogas".

Em coletiva de imprensa, Navas declarou que os 28 feridos tiveram alta e detalhou que a explosão do "carro-bomba" aconteceu por volta de 1h45 (horário local, 4h45 em Brasília) na província de Esmeraldas, no noroeste do Equador e fronteira com a Colômbia.

Navas destacou que não foram registradas vítimas fatais e adiantou que contam com o apoio das autoridades da Colômbia para avançar nas investigações para ter informação que permita "determinar os causadores, os supostos autores deste ato de terror que foi cometido no cantão San Lorenzo".

"Fatos como estes acontecem, sem dúvida alguma, devido ao forte e exitoso trabalho que vem sendo feito na região no combate direto ao crime organizado", disse Navas, assegurou que as operações que realizaram "estão atacando, debilitando organizações de crime transnacional vinculadas ao narcotráfico".

+++ Presidente do Equador retira funções de vice envolvido em denúncias de corrupção

"Isto (o atentado), sem dúvida alguma, como Estado, não vai nos amedrontar, mas ao contrário, são incentivos que temos para saber que estamos no caminho correto e que toda o Governo (...) está com uma meta muito firme no combate direto ao crime organizado", declarou o ministro.

Navas destacou que o Equador é "um país de paz", apontando que suas autoridades se comprometem a mantê-lo dessa maneira. 

+++ Lenín Moreno toma posse como presidente do Equador

O presidente Lenín Moreno ordenou o envio de 600 homens de segurança para a região onde ocorreu o atentado, segundo a Secretaria Nacional de Comunicação (Secom). A Presidência decretou estado de exceção, por 60 dias, nos cantões de San Lorenzo e Eloy Alfaro para reforçar a segurança de seus habitantes. O órgão não disse a que instituição pertencem os homens que serão enviados a Esmeraldas, mas lembrou que o estado de exceção nos cantões de San Lorenzo e Eloy Alfaro instaura zonas de segurança e suspende os direitos à inviolabilidade de domicílio, trânsito, associação e reunião. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.