(Victoria Jones/PA via AP)
(Victoria Jones/PA via AP)

Homem é morto pela polícia em Londres após suspeita de terrorismo

Armado com uma faca, homem atacou pessoas no bairro de Streatham; a polícia metropolitana confirmou ao menos dois feridos no incidente

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2020 | 12h45
Atualizado 02 de fevereiro de 2020 | 16h29

Um homem foi morto pela polícia metropolitana em Londres, na Inglaterra, neste domingo, 2, após esfaquear várias pessoas no bairro de Streatham, na região sul da cidade. Pelo menos duas pessoas ficaram feridas no ataque, que foi classificado como "terrorista" pelas autoridades.

O ato aconteceu dois meses depois do ataque com faca que deixou dois mortos na London Bridge, em pleno centro da capital britânica, que levou o governo de Boris Johnson a anunciar um endurecimento da legislação antiterrorista. 

A agressão deste domingo aconteceu por volta das 14H00 (11H00 de Brasília) no bairro residencial de Streatham. 

Depois de informar que agentes abriram fogo contra um homem que "esfaqueou várias pessoas", a polícia indicou que duas pessoas ficaram feridas. 

"Esperamos atualizações sobre suas condições", afirmou a polícia no Twitter, em uma mensagem na qual também informou que o ataque foi "totalmente contido". 

"Podemos confirmar que o homem no qual a polícia atirou por volta das 14h de hoje em #Streatham High Road foi declarado morto", afirmou a força de segurança. 

"As circunstâncias estão sendo examinadas, o incidente foi declarado terrorista", completa a nota.

No Twitter, o primeiro-ministro Boris Johnson agradeceu o trabalho dos serviços de emergência e mencionou "os feridos e os que se viram afetados".

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, também agradeceu a polícia e os serviços de emergência. 

"Os terroristas querem nos dividir e destruir nosso estilo de vida. Em Londres, nunca deixaremos que consigam", escreveu em um comunicado. 

Outro ataque recente semelhante ao deste domingo aconteceu em novembro. Duas pessoas foram mortas e várias ficaram feridas por um esfaqueador na Ponte de Londres antes de ele ser contido pelos que passavam no local e, depois, morto pela polícia

Facão e disparos 

Na televisão britânica, a deputada da região, Bell Ribeiro-Addy, explicou que uma das vítimas ficou gravemente ferida e que "a polícia vigiava [o agressor] há algum tempo". 

A rua onde os eventos ocorreram foi isolada pelos agentes de segurança polícia, que mantinha os pedestres a vários metros de distância, segundo os jornalistas da AFP no local. Algumas lojas fecharam mais cedo que o normal e um helicóptero sobrevoava a área.

"Estava andando na rua e ouvi tiros, dois ou três. Todo mundo ficou parado", disse Sean Cochrane, 44 anos, à AFP, que estava em um pub local aguardando a autorização da polícia para deixá-lo voltar para sua casa, localizada dentro do perímetro de segurança. 

"Nós nunca teríamos pensado que isso poderia acontecer em Streatham, é um bairro muito seguro e com uma grande diversidade", disse à AFP Jonathan Bartley, vereador eleito pelo partido Verde.

"É preocupante que o incidente tenha sido declarado 'terrorista' tão rapidamente", acrescentou. 

Gulled Bulhan, um estudante de 19 anos, declarou à agência britânica Press Association que viu o ataque. 

"Vi um homem com um facão e cilindros prateados no peito sendo perseguido pelo que, eu entendi, era um oficial de polícia disfarçado, pois estava à paisana", disse.

"Então atiraram no homem. Acho que ouvi três tiros, mas não consigo lembrar bem", completou.

Vídeos publicados nas redes sociais mostram supostas imagens do incidente, com policiais cercando um homem deitado no chão em Streatham High Road. Os agentes o retiram do local e pedem aos curiosos que se afastem da cena, enquanto vários veículos de emergência chegam ao local. /EFE, AFP e Reuters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.