Andrew Caballero-Reynolds/AFP
Andrew Caballero-Reynolds/AFP

A dez dias do julgamento de impeachment, Trump rompe com cinco advogados de defesa, diz jornal

Baixas incluem principal nome da equipe, Butch Bowers, e a especialista em defesa criminal Deborah Barbier

Maggie Haberman, The New York Times

31 de janeiro de 2021 | 19h26

WASHINGTON - O ex-presidente americano Donald Trump rompeu abruptamente com cinco advogados que preparavam sua defesa para o julgamento de impeachment no Senado, informou neste domingo, 31, o jornal The New York Times. A separação acontece a dez dias do início do processo, agendado para 9 de fevereiro.

As baixas incluem seu principal advogado, Butch Bowers, cuja contratação foi anunciada no início deste mês, disse uma pessoa familiarizada com a situação. Quatro outros advogados que supostamente se juntaram a ele, incluindo Deborah Barbier, uma advogada de defesa criminal na Carolina do Sul, também estão saindo, de acordo com várias pessoas próximas ao caso.

Trump pressionou sua equipe de defesa a se concentrar em sua afirmação infundada de que as eleições foram fraudadas, disse uma pessoa familiarizada com a situação. Uma fonte próxima a Trump afirmou que este não foi o motivo do rompimento, mas reconheceu que havia diferenças de opinião sobre a estratégia de defesa.

A saída de Bowers foi uma decisão “mútua”, disse outra pessoa familiarizada com a situação, acrescentando que Trump e Bowers não tinham "química" - uma qualidade que o ex-presidente geralmente valoriza em seus relacionamentos.

Trump prefere advogados que estão ansiosos para aparecer na televisão para dizer que ele nunca fez nada de errado; Bowers tem estado visivelmente ausente da mídia desde que sua contratação foi anunciada.

Jason Miller, um conselheiro do Trump, disse que o ex-presidente e seus assessores “não tomaram uma decisão final sobre nossa equipe jurídica”.

Bowers é o único advogado que os assessores de Trump confirmaram que defenderia o ex-presidente. O senador Lindsey Graham, um aliado de Trump que representa a Carolina do Sul, disse ter ajudado a cooptar Bowers, uma figura bem conhecida no mundo político local que estava trabalhando para estabelecer uma equipe mais ampla.

As partidas de Bowers e Barbier foram relatadas anteriormente pela emissora CNN. Um terceiro advogado, Josh Howard, da Carolina do Norte, também não faz mais parte da equipe, disse outra pessoa a par da situação. E dois outros advogados da Carolina do Sul, Johnny Gasser e Greg Harris, também não estarão mais envolvidos, disse uma das pessoas a par da situação.

Trump é acusado de "incitação à insurreição" por seu papel nos eventos que culminaram na invasão do Capitólio, em 6 de janeiro. É a segunda vez que o presidente passa por um processo de impeachment - mas os advogados que o defenderam no ano passado não devem estar envolvidos desta vez. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.