Photo by - / AFP
Photo by - / AFP

Análise: Explosão em Beirute deixa o mundo em dilema sobre como ajudar o Líbano

Trata-se de uma velha questão: como ajudar um povo atingido por uma tragédia sem capacitar seus governantes obscuros e sinistros?

Bobby Ghosn, Bloomberg, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2020 | 13h58

Mais de 113 mortos, 4 mil feridos e centenas de milhares de desabrigados: o número humano da explosão no Líbano, na terça-feira, 5, exige uma resposta imediata do resto do mundo. Não é exagero dizer que muitos morrerão ou ficarão mutilados permanentemente se o socorro não vier rapidamente.

Mas a tragédia também coloca os líderes e credores do mundo em um dilema conhecido: como ajudar um povo atingido sem capacitar seus governantes obscuros - e sinistros?

O dilema foi levantado recentemente no Irã, quando o governo da República Islâmica buscou US$ 5 bilhões do Fundo Monetário Internacional para lidar com o surto de coronavírus

Na época, argumentei que não era confiável dar dinheiro ao regime de Teerã: o risco era grande de que o dinheiro fosse desviado para o bem estabelecido programa iraniano de espalhar o terrorismo e a violência sectária pelo Oriente Médio. Melhor oferecer ajuda material - comida, remédios, médicos e enfermeiros - em vez disso.

É evidente que o governo iraniano insistiu em dinheiro, que não recebeu, e optou por deixar seu povo sofrer, em vez de aceitar ofertas ocidentais de assistência não monetária. Desde então, ele tentou esconder a extensão da crise do coronavírus, mascarando os números. O número real de mortes pode ser três vezes maior do que o anunciado.

Para Entender

Explosão em Beirute: o que se sabe e o que falta saber

Governo diz que curto-circuito causou incêndio e explosão que deixaram 100 mortos e 4 mil feridos

O Líbano, apesar de toda a sua disfunção política e caos econômico, é em grande parte uma sociedade aberta. O governo do primeiro-ministro Hassan Diab aceitará com prazer ofertas de assistência de todos os participantes - com a possível exceção de Israel. Grupos de resgate e socorro de todo o mundo estão a caminho de Beirute. Alimentos e outros suprimentos de emergência também chegarão.

Mas a elite política profundamente corrupta que administra o país não perderá a oportunidade de pedir dinheiro também. E é aí que reside o dilema.

Não há dúvida de que o Líbano precisará do dinheiro. Beirute sofreu enormes danos físicos: o governador da cidade estima que custará entre US$ 3 bilhões e US$ 5 bilhões para consertar os danos.

Em circunstâncias normais, a diáspora libanesa poderia ser usada para recuperar boa parte da conta. Mas, nos últimos meses, o estado piedoso da economia libanesa - e especialmente o colapso de sua moeda - levou muitos a retirar seu dinheiro do país. 

Eles enviarão dinheiro de volta para apoiar amigos e familiares, mas investir em reconstrução requer fé na gestão da economia e confiança no sistema bancário, o que não existe atualmente.

Assim como o Irã, existe o perigo de que o dinheiro da ajuda seja desviado de seu objetivo pretendido - seja para rechear os bolsos dos políticos famosos e venais do Líbano, ou pior, fornecer verbas para os cofres do Hezbollah, que atua como aliado do Irã em toda a região.

O medo de dinheiro caindo nas mãos do Hezbollah impediu que os países árabes do Golfo salvassem o Líbano de sua atual crise econômica, como fizeram no passado.

Isso deixa em alerta o FMI, que ainda antes da tragédia de terça-feira estava conversando com o governo Diab sobre um empréstimo de US$ 10 bilhões. Mas essas negociações haviam parado com a incapacidade do governo de concordar com um plano de reforma econômica. O ministro da Economia, Raoul Nehme, estava otimista quando disse que poderia receber metade desse valor na semana passada.

O FMI pode agora estar disposto a falar de uma quantia maior, para incorporar as necessidades de reconstrução de Beirute. Mas o risco de uso indevido pode ser maior no caos após as explosões, por isso o FMI deve ser ainda mais insistente na transparência.

A escala da tragédia deve abalar o governo - e toda a classe política - sobre a necessidade de reformas. Mesmo o Hezbollah, certamente, agora deve reconhecer que um resgate, com restrições, é inevitável - e urgente.

No mínimo, o governo deve permitir um sistema de supervisão internacional de como é gasto o dinheiro da reconstrução. Não conseguir assistência em um momento em que haja tanta simpatia pelo Líbano seria desastroso. O mundo quer ajudar os libaneses. Os políticos em Beirute devem nos ajudar a ajudá-los.

* Bobby Ghosn é colunista da seção de opinião da Bloomberg. Ele escreve sobre Relações Internacionais, com foco em Oriente Médio

 

Tudo o que sabemos sobre:
Líbano [Ásia]Beirute [Líbano]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.