Marcos Correa/Brazilian Presidency via REUTERS
Marcos Correa/Brazilian Presidency via REUTERS
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro apagou os dois últimos anos da política ambiental e, portanto, o próprio governo

Presidente brasileiro, em discurso na cúpula do clima convocada por Joe Biden, teve de recorrer a vitórias e avanços de governos anteriores

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 12h43

Ao ler seu discurso na cúpula do clima, um dos movimentos internacionais mais importantes em muitos anos, talvez décadas, o presidente Jair Bolsonaro enterrou o seu discurso anterior na ONU e apagou os dois últimos anos de política ambiental do Brasil. Ou seja, ele apagou o seu próprio governo.

Ao destacar a vanguarda brasileira na questão climática, Bolsonaro silenciou sobre seu governo e teve de recorrer às vitórias e avanços conquistados pelo País em décadas, ou seja, foi obrigado a reconhecer o sucesso dos governos anteriores nessa área. Só faltou enaltecer, nominalmente, Marina Silva, Isabella Teixeira...

Do seu próprio governo, e da gestão do ministro Ricardo Salles, não havia nada a dizer. Ou melhor, seria temerário falar sobre a demissão do respeitado cientista Ricardo Galvão do INPE, ou sobre o desmanche de Ibama e ICMBio, ou sobre os índices nefastos do desmatamento, ou sobre a o descumprimento - por determinação direta do presidente - da legislação ambiental – uma das mais prestigiadas do mundo.

E o que Bolsonaro poderia falar sobre as comunidades indígenas, depois de ter colocado o Brasil em alerta e chocado o mundo com seus projetos para escancarar as reservas à mineração, ao turismo, ao agronegócio, a tudo, enfim. É por essas, e outras, que o Brasil empilha mais de uma dúzia de manifestos, internos e internacionais, contra a desastrosa política ambiental da era Bolsonaro.

O ponto objetivamente mais importante do discurso do presidente brasileiro foi a antecipação da neutralidade climática em dez anos, de 2060 para 2050, mas o grande problema do discurso, ou do próprio Bolsonaro, é de credibilidade. Quem acredita em suas intenções e seus compromissos, particularmente na área de meio ambiente?

Ele também se comprometeu com a meta do desmatamento em 2030 e com dobrar as verbas para a fiscalização. Como assim? Depois de demitir nomes chaves do Ibama e do ICMBio? De cortar sem dó nem piedade suas verbas? De acenar com uma “Força Tática” de militares da reserva para tomar o lugar os técnicos dos dois órgãos?

Para Bolsonaro, como já admitia seu ex-chanceler, Ernesto Araújo, a defesa do meio ambiente não passa de instrumento do comunismo internacional, logo, as ONGS e os órgãos do setor estão entupidos de esquerdistas. Todas as ações do seu governo refletem exatamente isso.

Do ponto de vista político, o destaque no discurso de Bolsonaro foi sua inflexão, ao dar o dito pelo não dito, o feito pelo não feito, para sair do negacionismo absurdo e da ideologia incompreensível e cair na real. É um efeito evidente do cerco dos fundos de investimento, dos banqueiros, dos grandes empresários, dos economistas, dos ex-ministros da Economia e ex-presidentes do BC, do agronegócio, do Partido Democrata dos EUA, dos artistas nacionais e internacionais.... Ufa!

Para Entender

O que é o encontro convocado por Joe Biden

Reunião de líderes mundiais quer estabelecer novos compromissos para a redução das emissões de carbono e nasceu do interesse americano de se recolocar como protagonista no cenário internacional após os anos Trump

Mas o principal alvo de Bolsonaro foram os Estados Unidos. Dando nome aos bois, ele estava se dirigindo a Joe Biden, que mostra ao mundo a que veio, abre novos horizontes nas relações multilaterais e põe no centro do debate internacional uma questão de vida ou morte: como salvar o planeta.

Com a cúpula do clima, Biden enterra definitivamente a era Donald Trump. Bolsonaro precisa virar outro Bolsonaro para sobreviver e retirar o Brasil da condição de pária internacional. A estratégia é dar um salto triplo carpado na sua política ambiental e desmontar o tripé do desastre: saúde, política externa e meio ambiente. A tática é a de sempre: esconder-se, mudar o discurso e deixar Ricardo Salles na linha de tiro, até cair ingloriamente. Como ocorreu com o diplomata Ernesto Araújo e o general Eduardo Pazzuelo. Só falta combinar com os adversários. Nesse caso, não são apenas os russos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.