Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão
Imagem Lourival Sant'Anna
Colunista
Lourival Sant'Anna
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Brasil precisa de um plano para arrancar riquezas da Amazônia de pé

Pressão de governo Biden sobre Bolsonaro para garantir metas climáticas e de combate ao desmatamento devem aumentar cada vez mais

Lourival Sant'Anna, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2021 | 05h00

Oito senadores democratas americanos enviaram na sexta-feira uma carta ao presidente Joe Biden sobre as relações com o Brasil. Entre os autores estão dois presidentes de importantes comissões do Senado: Patrick Leahy, do Orçamento, e Bob Menendez, das Relações Exteriores, além de Bernie Sanders, líder da esquerda do Partido Democrata.

No texto de duas páginas, eles manifestam "profunda preocupação com a aceleração da destruição da Amazônia”, e apoiam esforços do governo Biden para promover cooperação com o Brasil nessa área. Mas advertem que isso "só será possível se o governo Bolsonaro começar a encarar os compromissos climáticos do Brasil com seriedade". 

Os senadores observam: "Bolsonaro tem menosprezado publicamente a principal agência ambiental do Brasil [o Ibama] e sabotado sua capacidade de impor o cumprimento das leis ambientais do país”. Alertam que “a retórica e as políticas de Bolsonaro têm dado luz verde para perigosos criminosos que operam na Amazônia”. E concluem que a ajuda americana deve ser condicionada à redução do desmatamento e ao fim da impunidade.

A reação veio um dia depois do envio de uma carta de Jair Bolsonaro a Biden. Nela, o presidente brasileiro reitera o compromisso firmado em 2015 pelo Brasil de eliminar o desmatamento ilegal até 2030, e de zerar a emissão líquida de gases poluentes até 2060. Acrescenta que tentará antecipar essa meta para 2050. 

Em resposta à carta, John Kerry, representante de Biden para mudança climática, tuitou: “A reiteração do compromisso pelo presidente Jair Bolsonaro com a eliminação do desmatamento ilegal é importante. Esperamos ações imediatas e engajamento com populações indígenas e com a sociedade civil para que esse anúncio possa produzir resultados tangíveis”.

As duas últimas palavras do tuíte são a chave da posição americana. Numa live com o grupo de empresários Parlatório, no domingo, o embaixador americano em Brasília, Todd Chapman, afirmou: “O Brasil tem que trabalhar de maneira muito séria. Não é problema de comunicação, como algumas pessoas dizem, mas de resultados”.

Chapman lembrou que o Brasil já controlou as queimadas, referindo-se ao período entre 2005 e 2012. "Já provaram ao mundo que podem fazer isso. Falta desejo, implementação, recursos, mas o Brasil sabe fazer”. Segundo o embaixador, tudo nas relações com os EUA dependerá disso. O mesmo se aplica à União Europeia.

Há um problema com o timing do novo engajamento do Brasil. A estação de chuvas, que é o período do desmatamento, está terminando agora na Amazônia, e começando a das queimadas. Significa que, se o Brasil se esforçar só a partir de agora para conter a devastação, não terá tanto resultado, porque o que queima na Amazônia é o que foi desmatado meses antes. 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, declarou, em entrevista, que o Brasil responde por apenas 3% das emissões mundiais, e que são os outros países que têm de apresentar metas mais ambiciosas.

Não é a visão dos EUA e da Europa. O Brasil manteve no fim do ano passado a mesma meta de 2015 de redução das emissões relativas a 2010, embora a base tenha sido revista. Com isso, segundo os cientistas, o Brasil na prática pode aumentar suas emissões. 

Para manter o mesmo patamar de emissões em termos absolutos, o Brasil precisa elevar a meta de redução em 2025 de 37% para 44% e, em 2030, de 43% para 50%. É por isso que todos os países foram solicitados a rever suas metas.

Um plano para conter o desmatamento é um bom começo. Agora, o Brasil precisa de um plano para arrancar riquezas da floresta de pé, como o que foi proposto pela Academia Brasileira de Ciências em 2008. É isso que tornará a preservação um objetivo do País, em vez de subterfúgio para contornar as pressões do mundo.

* É COLUNISTA DO ESTADÃO E ANALISTA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.