Santi Palacios/AP
Santi Palacios/AP

Navio financiado por Banksy pede ajuda após resgatar imigrantes no Mediterrâneo

'Louise Michel', como é chamada a embarcação, salvou 219 náufragos nos últimos dois dias

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2020 | 21h29

VALENCIA - O navio financiado pelo artista britânico Banksy pediu ajuda na noite desta sexta-feira, 28, após um novo resgate massivo de imigrantes. A tripulação informou que há um morto a bordo.

O navio Louise Michel resgatou mais 130 pessoas e tem atualmente 219 náufragos a bordo, com uma tripulação formada por apenas 10 membros, tuítaram os responsáveis pelos resgates. “Precisamos de ajuda imediata”, disseram, acrescentando: “Já há uma pessoa morta no barco. As outras têm queimaduras de combustível”.

A embarcação, nomeada em homenagem à anarquista francesa do século XIX, foi decorada com um grafite do artista britânico e zarpou em 18 de agosto do porto espanhol de Borriana, perto de Valência, reportou o jornal britânico The Guardian.

A tripulação é formada por uma dezena de pessoas, "ativistas europeus com uma longa experiência em busca e resgates no mar". Sua capitã é Pia Klemp, uma militante alemã dos direitos humanos conhecida por ter pilotado outros navios de resgate, como o Sea-Watch 3. Klemp é investigada pela justiça italiana por "ajuda à imigração ilegal", entre outras acusações.

Louise Michel é um antigo navio da Alfândega francesa. Com 31 metros de comprimento, é menor que outros barcos humanitários, porém muito mais rápido, o que o permite escapar da Guarda Costeira líbia.

Fretado em segredo, o navio resgatou na última quinta-feira, 27, 89 pessoas, incluindo 14 mulheres e duas crianças no Mediterrâneo central. Agora, a tripulação procura um porto seguro ou uma embarcação da Guarda Costeira europeia para desembarcar os passageiros. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.