Reuters
Reuters

Cuba pede tranquilidade e desmente rumor sobre unificação monetária

Notícia que circulava no país era que uma das duas moedas cubanas seria retirada de circulação imediatamente, o que provocou uma grande movimentação nos bancos

O Estado de S.Paulo

30 Março 2018 | 02h04
Atualizado 30 Março 2018 | 08h49

HAVANA - O Banco Central de Cuba pediu tranquilidade na quinta-feira 29 após a divulgação de rumores falsos de que uma das duas moedas que circulam no país seria retirada imediatamente, o que provocou uma grande movimentação nos bancos.

+ Cuba admite erros e atrasos em suas reformas econômicas

+ Prestes a deixar presidência, Raúl Castro é eleito deputado com 98% dos votos

"Esse fato se fundamenta nas falsas informações de que o peso conversível (CUC) será retirado de circulação como parte do processo de unificação monetária", indicou o Banco Central de Cuba em nota.

+ Cubanos iniciam processo de transição da presidência de Raúl

+ Raúl deixará poder com avanço no setor privado, mas reformas paradas

A unificação monetária é uma das principais reformas pendentes em Cuba, onde circulam o peso cubano (CUP), moeda de pagamento dos salários dos funcionários públicos, e o CUC, a divisa forte, em paridade com o dólar e equivalente a 24 CUP no câmbio oficial.

Os rumores sobre a proximidade da unificação, uma medida sobre a qual o governo da ilha vem trabalhando desde 2013, provocou correria nos bancos. Os cubanos queriam se livrar do CUC, trocando-o por CUP, dólares e euros.

"A data para o início de unificação monetária não foi definida. O CUC continuará em circulação até o momento no qual se decida sua retirada, que será comunicada oficialmente", disse o Banco Central do país em nota.

Em dezembro, em um discurso na Assembleia Nacional, o presidente Raúl Castro pediu rapidez no processo e qualificou a eliminação da dupla moeda como o "processo mais determinante" de suas reformas econômicas. "Ninguém pode calcular o elevado custo para o setor estatal da persistência da dualidade", disse ele. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.