REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

Entrada ilegal nos EUA pelo México teve queda de 40% em um ano

Analistas atribuem redução à retórica agressiva do presidente contra os imigrantes de forma geral

Cláudia Trevisan, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

20 Janeiro 2018 | 17h32

WASHINGTON - O número de pessoas que tentam cruzar a fronteira do México com o EUA de maneira clandestina caiu 40% no primeiro ano do governo de Donald Trump em relação a 2017, movimento que analistas atribuem à retórica agressiva do presidente contra imigrantes legais e ilegais.

+ Política do presidente Trump ameaça 1 milhão de imigrantes legais

“Sem nenhuma adição real aos esforços de controle na fronteira para explicar uma mudança tão dramática de um ano para outro, a queda aponta para uma mudança em como os que potencialmente cruzariam a fronteira de maneira não autorizada veem os esforços de controle do governo Trump”, diz estudo do Migration Policy Institute sobre os resultados dos primeiros 12 meses de governo.

O movimento na fronteira é medido pelo número de apreensões realizadas na região pelos agentes federais. A queda mais acentuada ocorreu de janeiro a abril, mês que registrou apenas 11,7 mil detenções, a menor cifra em 17 anos. A partir de maio, houve gradual aumento das apreensões, o que não impediu a redução de 40% em todo o ano. Em novembro, o número chegou a 29,1 mil, o maior desde janeiro. 

+ Retórica explosiva e rejeição inédita marcam 1º ano de Trump no governo

O estudo apontou que o total de famílias apreendidas passou de 1 mil, em abril, para 8 mil, em dezembro. O número de crianças desacompanhadas também cresceu, de 1 mil para 4 mil no mesmo período. “Isso é uma demonstração de que os fatores que estimulam a migração continuam presentes, em especial a violência em países da América Central”, afirmou Sarah Pierce, uma das autoras do estudo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.