Matt York/ AP
Matt York/ AP

Estados menos 'badalados' agora ganham destaque

Pelo ritmo de apuração, Arizona e Nevada, que juntos têm apenas 17 delegados, chegaram ao fim da contagem com caráter decisivo

Amani Jaber, José Augusto Amorim e Elio Moura, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2020 | 23h03

DETROIT, KENOSHA E LAS VEGAS - Pela quantidade de votos no colégio eleitoral, Pensilvânia, Geórgia e Wisconsin são Estados importantes para eleger um presidente. Somados, têm 36 delegados – 20 da Pensilvânia, 16 da Geórgia e 10 de Wisconsin. No entanto, neste ano, Arizona, com 11 votos, e Nevada, 6, por circunstâncias da apuração, também ganharam as atenções.

No Arizona, a Associated Presse e a Fox News projetaram a vitória de Joe Biden no Estado – os EUA não têm uma Justiça Eleitoral e a imprensa é quem costuma divulgar o ganhador.

No caso da Fox News, emissora preferida dos republicanos, a decisão dos estatísticos da casa de dar a vitória a Biden no Arizona causou incômodo entre apresentadores e analistas. No entanto, muitas TVs e jornais, como CNN, ABC News, NBC New York Times, preferiram cautela e mantiveram a disputa no Estado ainda aberta.

Nevada também atraiu as atenções – e não foi por causa dos cassinos de Las Vegas. Neste ano, com a contagem encerrada em muitos lugares, o Estado acabou sendo um dos poucos disputados até o fim. Apesar de nem todos os números estarem fechados, Biden é favorito para vencer Trump no Estado – a contagem, porém, é lenta e só deve ser encerrada hoje, de acordo com autoridades eleitorais de Nevada.

Mudanças

As reviravoltas que deram a vitória a Biden em Michigan e Wisconsin irritaram Trump. Para entender o que ocorreu, é preciso voltar a 2016. Nas eleições passadas, uma das maiores surpresas foi o condado de Macomb, nos arredores de Detroit. Com uma população de trabalhadores, Macomb se identificou com o discurso de Trump contra acordos comerciais.

Hillary Clinton não tinha nenhum apelo para esse eleitor”, lembra Jonathan Hanson, professor da Universidade de Michigan. Em 2016, Trump ganhou o Estado por 9.497 votos, mas perdeu por mais de 21 mil agora. “Michigan voltou a ser democrata”, afirma Hanson.

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

Já em Wisconsin a eleição tinha outras motivações. Os protestos pela morte de um negro pela polícia, em Kenosha, e a pandemia ajudaram na vitória a Biden – Trump liderou parte da apuração e tinha levado a melhor em 2016, após vitórias seguidas dos democratas em sete eleições. O analista político Carlo Barbieri, no entanto, é cauteloso ao falar de uma mudança de posição em favor dos democratas. “No resultado final, a diferença de votos foi muito pequena”, disse.

De todos, a Geórgia talvez tenha sido a maior surpresa. Biden disputou com Trump voto a voto a vitória em um reduto histórico republicano. O Estado é conhecido por ter um passado racista, mas vem sofrendo uma rápida mudança demográfico, especialmente nos subúrbios de Atlanta, que favorecem os democratas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.