Andrew Harnik/AFP
Andrew Harnik/AFP

EUA anunciam sanções à Huawei e relação com a China fica mais tensa

Em poucas semanas, governo Trump impôs restrições a ações chinesas nas áreas de tecnologia e territorial; para analistas, bases para nova Guerra Fria estão postas e disputa pode reavivar perigos vistos com americanos e soviéticos

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2020 | 05h00

WASHINGTON - Em um novo capítulo na escalada de tensões entre Estados Unidos e China, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, anunciou nesta quarta-feira, 15, que restringirá a concessão de vistos a funcionários da Huawei e de outras empresas chinesas que forneçam “apoio material” a governos que cometem violações aos direitos humanos.

O chefe da diplomacia americana não detalhou quantas empresas serão submetidas à nova restrição nem quantos funcionários podem ser afetados.

Pompeo também anunciou que na próxima segunda-feira viajará a Reino Unido e Dinamarca, dois dos países que vetaram operadoras de telecomunicações de adquirir tecnologia 5G da Huawei. Além do Reino Unido, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Índia e Japão já cederam à pressão americana e proibiram o fechamento de contratos com a Huawei. 

A relação entre China e EUA está em queda livre. Os americanos têm feito questão de atingir um a um os principais pontos da visão de Xi Jinping para uma China em ascensão, pronta para assumir o manto da superpotência.

Em questão de semanas, o governo Trump impôs sanções contra as políticas chinesas em Hong Kong e na região oeste da China. Aumentou a pressão sobre aliados para impedir o uso da tecnologia 5G chinesa. Na segunda-feira, os americanos desafiaram as reivindicações da China no Mar do Sul, preparando o terreno para um confronto mais agudo.

E o presidente Trump disse na terça-feira que assinou uma lei para punir as autoridades chinesas pela nova lei de segurança que limita os direitos dos residentes de Hong Kong, juntamente com uma ordem executiva que encerra o tratamento comercial preferencial ao território.

"O hiato de poder está diminuindo e o hiato ideológico está aumentando", disse Rush Doshi, diretor da China Strategy Initiative na Brookings Institution em Washington, acrescentando que China e Estados Unidos entraram em uma "espiral ideológica".

Durante anos, autoridades e historiadores rejeitaram a ideia de que uma nova Guerra Fria estava surgindo entre os EUA e a China. Os contornos do mundo de hoje, segundo o argumento, são simplesmente incomparáveis às décadas em que os EUA e a União Soviética se enfrentaram em uma luta existencial pela supremacia. Dizia-se que o mundo estava interconectado demais para se dividir facilmente em blocos ideológicos.

Agora, as linhas estão sendo traçadas e as relações estão em queda livre, lançando as bases para um confronto que terá muitas das características da Guerra Fria - e os seus perigos. À medida que as duas superpotências se chocam em campos como tecnologia, território e influência, elas enfrentam o mesmo risco de pequenas disputas que se transformam em conflito militar.

O relacionamento está cada vez mais imbuído de profunda desconfiança e animosidade, bem como as tensões que vêm com dois poderes disputando a primazia, especialmente em áreas onde seus interesses colidem: no ciberespaço e no espaço sideral, no Estreito de Taiwan e no Mar do Sul da China, e até no Golfo Pérsico.

E a pandemia de coronavírus, associada às recentes ações agressivas da China em suas fronteiras - do Pacífico ao Himalaia - transformou as fissuras existentes em abismos que poderiam ser difíceis de superar, independentemente do resultado da eleição presidencial americana deste ano.

Do ponto de vista de Pequim, foram os EUA que fizeram as relações chegarem ao seu pior ponto desde que os países restabeleceram as relações diplomáticas em 1979. "A atual política chinesa dos EUA se baseia em erros de cálculo estratégico mal informados e está repleta de emoções, caprichos e fanatismo McCarthyista", disse na semana passada o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi. 

"Parece que todo investimento chinês é politicamente orientado, todo estudante chinês é um espião e toda iniciativa de cooperação é um esquema com uma agenda oculta", acrescentou, evocando a Guerra Fria para descrever o atual nível de tensões.

"Que cooperação há entre a China e os Estados Unidos agora?" disse Zheng Yongnian, diretor do Instituto do Leste Asiático da Universidade Nacional de Cingapura. "Não vejo nenhuma cooperação substancial."

A pandemia também aumentou as tensões, especialmente nos Estados Unidos. Trump se refere ao coronavírus como "vírus chinês", enquanto Pequim acusa seu governo de atacar a China para prejudicar suas falhas em conter o vírus.

Trump, em comunicado divulgado na noite de terça-feira, referiu-se à pandemia como "a praga que vem da China" e disse que os chineses "poderiam ter parado" a pandemia.

Ambos os países estão forçando outras nações a tomar partido, mesmo que não estejam dispostos a fazê-lo. O governo Trump, por exemplo, pressionou aliados - com algum sucesso na Austrália e, na terça-feira, no Reino Unido - a renunciar à gigante tecnológica chinesa Huawei ao desenvolver redes 5G. A China, enfrentando condenação por suas políticas em Xinjiang e Hong Kong, reuniu países para fazer demonstrações públicas de apoio a elas.

No Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, 53 nações - da Bielorrússia ao Zimbábue - assinaram uma declaração apoiando a nova lei de segurança da China para Hong Kong. Apenas 27 nações no conselho criticaram, a maioria democracias europeias, junto com o Japão, a Austrália e a Nova Zelândia. Esses blocos não seriam desconhecidos no auge da Guerra Fria.

Para Entender

O que muda na relação entre China e Hong Kong com a lei de segurança nacional

Modelo de 'um país, dois sistemas' está ameaçado e pode ter influências nas liberdades vigentes no território de Hong Kong

A China também exerceu seu vasto poder econômico como uma ferramenta de coerção política, cortando as importações de carne bovina e cevada da Austrália porque seu governo pediu uma investigação internacional sobre as origens da pandemia. Na terça-feira, Pequim disse que sancionaria a fabricante aeroespacial americana Lockheed Martin pelas recentes vendas de armas para Taiwan.

Cada vez mais, a China parece disposta a aceitar os riscos de ações mais ousadas. Com a China ameaçando navios do Vietnã, Malásia e Indonésia no Mar do Sul, os EUA enviaram dois porta-aviões no mês passado, em uma demonstração agressiva de força. O Departamento de Estado declarou as reivindicações da China sobre as águas ilegais.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse na terça-feira que a declaração americana minaria a paz e a estabilidade regional, afirmando que a China controlava as ilhas no mar "por milhares de anos", o que não é verdade. Como ele afirmou, a República da China - então controlada pelas forças nacionalistas de Chiang Kai-shek - só fez uma reivindicação formal em 1948.

"A China está comprometida em resolver disputas territoriais e jurisdicionais com estados soberanos diretamente relacionados por meio de negociações e consultas", disse ele.

Não é assim que seus vizinhos veem as coisas. O Japão alertou esta semana que a China estava tentando "alterar o status quo no Mar do Sul da China". Ele chamou a China de uma ameaça a longo prazo mais séria do que uma Coreia do Norte com armas nucleares.

Michael McFaul, ex-embaixador americano na Rússia e professor de estudos internacionais na Universidade de Stanford, disse que as recentes manobras da China pareciam "estendidas demais e exageradas", comparando-as a um dos momentos mais difíceis da Guerra Fria. "Isso me lembra Khrushchev (Nikita, líder soviético) ", disse ele. "Ele está atacando e de repente está em uma crise de mísseis cubanos com os EUA."

Uma reação contra Pequim parece estar crescendo. As tensões são particularmente claras na tecnologia, onde a China procurou competir com o mundo em tecnologias de ponta como inteligência artificial e microchips, enquanto restringia severamente o que as pessoas podem ler, assistir ou ouvir dentro do país.

Se o Muro de Berlim foi o símbolo físico da primeira Guerra Fria, o Grande Firewall poderia muito bem ser o símbolo virtual da segunda.

O que começou como uma divisão no ciberespaço para isolar os cidadãos chineses de visões não autorizadas pelo Partido Comunista agora provou ser um indicador das fissuras mais profundas entre a China e grande parte do mundo ocidental.

Seus controles têm sido extremamente bem-sucedidos em casa, sufocando a dissidência e ajudando a disseminar gigantes da internet no país, mas conquistaram pouca influência chinesa no exterior. A decisão da Índia de bloquear 59 aplicativos chineses ameaça atrapalhar o maior sucesso da internet no exterior da China até hoje, o aplicativo de vídeos curtos TikTok, repleto de memes.

Na semana passada, o TikTok também fechou em Hong Kong por causa da nova lei de segurança nacional da China. Os gigantes americanos da tecnologia Facebook, Google e Twitter disseram que parariam de revisar solicitações de dados das autoridades de Hong Kong ao avaliar as restrições da lei.

"A China é grande, terá sucesso, desenvolverá sua própria tecnologia, mas há limites para o que pode fazer", disse James Lewis, ex-funcionário americano que escreve sobre segurança cibernética e espionagem para o Center for Strategic and International Studies em Washington.

Mesmo em lugares onde a China conseguiu vender sua tecnologia, a maré parece estar mudando.

A recente truculência de Pequim levou o Reino Unido a impedir que novos equipamentos da Huawei entrem em suas redes, e o governo Trump está determinado a interromper a empresa dos microchips e outros componentes necessários. Para combater, Pequim redobrou os esforços para criar opções caseiras.

Wang, o ministro das Relações Exteriores, instou os EUA a dar um passo atrás e procurar áreas em que os dois países possam trabalhar juntos. No entanto, o pessimismo sobre o relacionamento é generalizado, embora a maioria das autoridades e analistas chineses culpe o governo Trump por tentar desviar a atenção de seu fracasso em controlar a pandemia.

"Não é difícil ver que, sob o impacto do coronavírus neste ano eleitoral dos EUA, várias potências nos EUA estão focadas na China", escreveu Zhao Kejin, professor de relações internacionais da Universidade Tsinghua, em um artigo recente. “O relacionamento China-EUA enfrenta o momento mais sério desde o restabelecimento das relações diplomáticas.”

Embora ele tenha evitado a ideia de uma nova Guerra Fria, seu fraseado alternativo não era mais tranquilizador: “A nova realidade entre China e EUA não é a de uma ‘nova Guerra Fria’, mas estamos entrando em uma ‘guerra suave’”. / NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.