Saul Martinez/The New York Times
Saul Martinez/The New York Times

EUA concedem mecanismo especial de proteção contra deportação a venezuelanos em seu território

Decisão, que pode ajudar cerca de 320 mil pessoas, cumpre promessa que Biden fez na campanha de dar abrigo aos venezuelanos que deixaram sua terra natal em meio ao colapso econômico, crise humanitária e turbulência política sob Maduro

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2021 | 18h57

WASHINGTON - O governo Joe Biden anunciou nesta segunda-feira, 8, que os Estados Unidos concederão o Status de Proteção Temporária (TPS) aos venezuelanos, uma medida que impede sua deportação e permite que eles trabalhem, entre outros benefícios.

Um alto funcionário do governo americano informou a jornalistas, sob condição de anonimato, que essa medida vigorará por 18 meses devido a "circunstâncias temporárias extraordinárias" na Venezuela. "Não é seguro para os venezuelanos voltarem", disse o funcionário.

No edital, o governo Biden frisou que o benefício é exclusivo para as pessoas que já estavam nos Estados Unidos nesta segunda-feira, 8 de março. "Se alguém chegar amanhã ou qualquer dia depois, não se qualifica", alertou o alto funcionário.

A decisão, que pode ajudar cerca de 320 mil pessoas, cumpre uma promessa que Biden fez durante a campanha eleitoral de 2020 de dar abrigo aos venezuelanos que deixaram sua terra natal em meio ao colapso econômico, crise humanitária e turbulência política sob Nicolás Maduro.

O destino dos venezuelanos nos EUA está no debate político de Washington há anos e, antes de partir, o ex-presidente republicano Donald Trump concedeu-lhes proteção contra deportação, chamada Saída Forçada Diferida (DED, em sua sigla em inglês).

Os Estados Unidos não reconhecem o governo Maduro, considerando que seu segundo mandato é ilegítimo devido a irregularidades nas eleições de 2018.

A Venezuela vive uma grave crise econômica e humanitária e é alvo de graves denúncias de violações dos direitos humanos, situação que fez com que 5,4 milhões de pessoas fugissem de seu país, segundo dados da ONU.

Em fevereiro, a Colômbia, principal destino dos venezuelanos que fugiram de seu país, anunciou um plano para regularizar quase 1 milhão de migrantes venezuelanos em seu território./AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.