Miraflores Palace/Handout via REUTERS
Miraflores Palace/Handout via REUTERS

EUA vetam transações com criptomoeda venezuelana e ampliam sanções

Departamento do Tesouro proibiu de viajar para os Estados Unidos e congelou bens de quatro membros da cúpula chavista

O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 15h49

WASHINGTON - O governo americano proibiu nesta segunda-feira, 19, cidadãos e empresas do país de negociar criptomoedas com a Venezuela. A medida deve atingir o petro, criado no mês passado pelo governo chavista para tentar contornar a escassez de reservas do país.Em um decreto assinadopelo presidente Donald Trump, o governo americano proibiu “todas as transações vinculadas” ao petro.

+ Apagões e racionamento atingem ao menos seis Estados na Venezuela

 O Departamento do Tesouro também sancionou quatro membros do governo chavista, que foram proibidos de viajar para os Estados Unidos e tiveram os bens no país congelados. São eles Américo Mata, do Banco Nacional de Vivienda y Hábitat; Antonio Contreras, da Superintendência para Defensa dos Direitos Socioeconômicos; Nelson Lepaje, do Tesouro venezuelano, e Carlos Rotondaro, ex-diretor do Instituto Venezuelano de Seguro Social.

No ano passado, os Estados Unidos vetaram as empresas do país de refinanciar a dívida externa da PDVSA e do governo venezuelano, o que, segundo analistas, levou ao calote de contratos no fim do ano. Uma fonte da Casa Branca reafirmou que o governo continua estudando sanções à compra de petróleo do país.

+ Maduro recomenda criação de galinhas para enfrentar escassez

Desde o lançamento do petro, o presidente Nicolás Maduro disse ter arrecadado US$ 5 bilhões com a venda da criptomoeda.

Economistas, no entanto, veem com ressalvas a venda do ativo, diante da falta de transparência do governo chavista. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.