José Méndez / EFE
José Méndez / EFE

Evo Morales está na Argentina com status de refugiado

'Entra na condição de asilado e depois passará a ter a de refugiado', diz chanceler argentino sobre ex-presidente boliviano

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2019 | 11h04
Atualizado 12 de dezembro de 2019 | 11h41

BUENOS AIRES - O ex-presidente boliviano Evo Morales chegou nesta quinta-feira, 12, à Argentina e ficará no país com o status de refugiado para garantir sua proteção, informou o ministro das Relações Exteriores argentino, Felipe Solá.

Procedente de Cuba, Evo chegou a Buenos Aires nesta manhã e ficará no país. "Entra na condição de asilado e depois passará a ter a de refugiado", afirmou Solá a uma emissora local.

Para Entender

Crise na Bolívia: A ascensão e queda de Evo Morales

Por que a gestão dele teve tanto destaque? Como ele mudou a nação sul-americana? A democracia corre perigo no país? Entenda essas e outras questões

O ex-presidente estava no México, país que havia oferecido a ele asilo político após sua renúncia no dia 10 de novembro em meio a protestos, e partiu para Cuba na semana passada para uma consulta médica. Há dois anos ele fez um tratamento na ilha por infecção na garganta.

Evo está "muito agradecido" de estar em Buenos Aires, segundo Solá, que assumiu o cargo na terça-feira no gabinete do novo presidente argentino, Alberto Fernández.

Para Entender

Para entender: Os fatos que levaram a novas eleições na Bolívia

Após um mês de violência que deixou 32 mortos, o país iniciou o caminho rumo a eleições que, pela primeira vez em 18 anos, não terão como candidato o agora ex-presidente indígena Evo Morales

O boliviano irá morar com seus dois filhos, que chegaram a Buenos Aires no dia 23 de novembro depois de permanecerem na embaixada do México em La Paz. 

"Não sabemos onde será sua residência, ele terá de comunicar isso no período oficial de refúgio. Ele se sente melhor aqui do que no México, que está longe, e seus dois filhos estão aqui", ressaltou o chanceler argentino. / AFP, REUTERS, EFE e AP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.