Loic Venance / AFP
Loic Venance / AFP

Governo da França recua em aumento da idade mínima da aposentadoria

Primeiro-ministro condicionou a retirada definitiva da medida a um acordo sobre 'o equilíbrio e o financiamento das aposentadorias' durante uma reunião que terá com sindicatos de trabalhadores e patronais

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2020 | 19h14

O governo da França "retirou provisoriamente" neste sábado, 11, a medida mais controversa de sua proposta para reforma da previdência, que previa alterar a idade mínima para a aposentadoria de 62 para 64 anos, a fim de continuar negociando com os sindicatos, que novamente mobilizaram milhares de manifestantes em todo país.

"Para demonstrar minha confiança nos interlocutores sociais, estou disposto a retirar do projeto de lei a medida de curto prazo que havia proposto, que consiste em convergir progressivamente de 2022 para uma idade de equilíbrio de 64 anos anos em 2027", escreveu o primeiro-ministro Edouard Philippe, numa carta dirigida aos sindicatos.

Philippe condicionou a retirada definitiva desta medida a um acordo sobre "o equilíbrio e o financiamento das aposentadorias" durante uma reunião prevista com sindicatos e organizações patronais.

Caso contrário, disse, o governo "adotará por decreto as medidas necessárias para alcançar o equilíbrio até 2027". 

Este anúncio foi feito no momento em que dezenas de milhares de pessoas protestaram por toda a França, pela quinta vez em pouco mais de um mês, contra a reforma do sistema previdenciário, uma das promessas eleitorais mais ambiciosas do presidente Emmanuel Macron.

Cerca de 149 mil pessoas participaram de uma passeata em Paris, segundo dados do sindicato, em um dia marcado por confrontos com a polícia e atos de vandalismo de manifestantes que quebraram vitrines e saquearam várias lojas.

O principal sindicato da oposição, a CGT, alertou rapidamente que estava "mais decidido do que nunca" alcançar a retirada total do projeto, enquanto outra entidade mais moderada, a CFDT, se declarou pronta para continuar negociando após a retirada da idade mínima.

"Ainda estamos aqui!" e "Renuncie, Macron!", gritavam os manifestantes. Também houve protestos em outras cidades do país, incluindo Marselha, Toulouse, Lyon e Nantes, onde também foram registradas alguns confrontos.

Todos os sindicatos convocaram uma nova manifestação para quinta-feira, 16.

'Justiça social'

O sindicato moderado CFDT, que se opôs à medida de aumentar a idade da aposentadoria para receber 100% da pensão, aplaudiu o anúncio do executivo de que, segundo ele, "marca a disposição do governo de se comprometer".

No entanto, caminhoneiros, professores, advogados e médicos, entre outros, exigem a retirada total do projeto, que prevê a fusão dos 42 atuais regimes de previdência, organizados por profissões, e o estabelecimento de um novo sistema de cálculo, único e exclusivo por pontos.

Para Entender

O sistema de Previdência social igual para todos proposto por Macron

Reforma é a mais audaciosa da agenda social do presidente francês para este ano e busca extinguir as distorções que beneficiam vários setores; em contrapartida, não haverá aumento da idade de aposentadoria, hoje fixada em 62 anos

"Este sistema universal é um grande projeto de justiça social", disse o primeiro-ministro em sua carta, na qual reiterou a vontade do governo de avançar com este capítulo de sua polêmica reforma.

Portanto, o anúncio deste sábado não resultará necessariamente no fim da greve dos transportes, que paralisou o país por 38 dias, nem nas escolas ou tribunais.

Macron, que deixou seu primeiro-ministro responsável por essa reforma, abandonou o silêncio na sexta-feira para defender seu projeto, que ele considera necessário diante da crescente expectativa de vida.

"O que se faz quando há cada vez menos ativos para financiar (as pensões) de pessoas que vivem cada vez mais?", perguntou.

"Ou descontamos mais ou assumimos que devemos trabalhar um pouco mais", disse o presidente francês, que estava participando de uma convenção sobre mudança climática.

"Há discordâncias, eu as ouço. (Mas) um bom compromisso deve ser encontrado", insistiu o presidente.

Nas últimas semanas, o governo já fez uma série de concessões para policiais e militares, além de pilotos e controladores de tráfego aéreo, permitindo que eles continuem se aposentando mais cedo. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.