REUTERS/Faisal Al Nasser
REUTERS/Faisal Al Nasser

Ingressos para 1ª exibição pública no cinema na Arábia Saudita esgotam em menos de um minuto

No momento, o site responsável pelas vendas oferece entradas ‘só para famílias’, que poderão comprá-las a partir de domingo para uma nova sessão

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2018 | 19h03

RIAD - Os ingressos colocados à venda para a primeira exibição pública de um filme na Arábia Saudita desde os anos 1980 esgotaram "em menos de um minuto". Além disso, somente 300 sortudos puderam estar presentes na sessão da noite de sexta-feira, após a abertura oficial do cinema dois dias antes.

+ Após décadas de proibição, Arábia Saudita exibe filme nos cinemas

+ Arábia Saudita investe na indústria do entretenimento

O site responsável pela venda dos ingressos, Noon, oferece agora entradas "só para famílias", que poderão comprá-las a partir de domingo para uma nova exibição do filme Pantera Negra, o único disponível por enquanto no país árabe.

+ Arábia Saudita ordena detenção ‘urgente’ de dois jovens que dançavam na rua

+ Mulheres poderão assistir a partidas de futebol na Arábia Saudita

A empresa americana AMC Entertainment, que opera a primeira sala de cinema da Arábia Saudita e será a encarregada de abrir outras 40 nos próximos cinco anos, anunciou a primeira projeção pública de Pantera Negra na sexta-feira para um número limitado de espectadores.

O filme estreou no dia 18 em um evento privado, com a presença de representantes do governo e cineastas, quando foi inaugurada a primeira sala de cinema saudita, no centro financeiro Rei Abdullah da capital, Riad.

Relembre: Sauditas têm novo príncipe herdeiro

O último filme de super-heróis da Marvel e Disney, que estreou há mais ou menos dois meses nos EUA, foi eleito para o marco histórico em meio às reformas ocorridas no reino, onde as salas de cinema estavam fechadas desde a década de 1980.

A reabertura das salas, assim como a promoção de novas atividades culturais nas quais as mulheres também podem participar, faz parte das medidas de abertura adotadas pelo príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.