Presidência do Irã/EFE
Presidência do Irã/EFE

Irã está pronto para elevar enriquecimento de Urânio, diz autoridade

Um dos principais assessores do líder supremo do Irã disse que o país está pronta para enriquecer urânio além do nível estabelecido pelo acordo nuclear em 2015

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2019 | 18h37

Teerã - Um dos principais assessores do líder supremo do Irã disse que a República islâmica está pronta para enriquecer urânio além do nível estabelecido pelo acordo nuclear em 2015, pouco antes do prazo estabelecido para a Europa oferecer novos termos para o acordo.

Em mensagem de vídeo, Ali Akbar Velayati disse que "os americanos, diretamente, e os europeus, indiretamente, violaram o acordo nuclear". As partes europeias do acordo ainda não ofereceram caminho para o Irã para evitar as sanções econômicas impostas pelo presidente dos EUA, Donald Trump, desde que ele retirou os EUA do acordo há um ano, especialmente àqueles que visam suas vendas cruciais de petróleo.

Tudo isso em meio ao envio de milhares de tropas dos EUA, um porta-aviões, bombardeiros nucleares B-52 e caças avançados para o Oriente Médio. Recentemente, um navio petroleiro foi atacado misteriosamente perto do Estreito de Ormuz. Além disso, ataques de rebeldes apoiados pelo Irã no Iêmen, Arábia Saudita e Irã abateram drones militares dos EUA, levantaram temores de um conflito mais amplo.

No vídeo divulgado em um site do líder supremo aiatolá, Ali Khamenei Velayati disse que o aumento de enriquecedores para armas de alto grau foi "unanimemente acordado por todos os componentes do estabelecimento".

"Vamos mostrar reação exponencialmente tanto quanto eles violam. Nós reduziremos nossos compromissos tanto quanto eles reduzam", disse Velayati, conselheiro de Khamenei em assuntos internacionais. "Se eles voltarem a cumprir seus compromissos, nós também faremos isso.

Sob o acordo atômico, o Irã concordou em enriquecer urânio para não mais que 3,67%, o que é suficiente para atividades pacíficas, mas está muito abaixo dos níveis de 90%. O Irã nega que busque armas nucleares, mas o acordo nuclear buscou impedir que, como uma possibilidade, houvesse um enriquecimento e arsenal do Irã de urânio de 300 quilos. Fonte: Associated Press

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.