Henry Nicholls/Reuters
Henry Nicholls/Reuters

Johnson ameaça ignorar lei e sair da União Europeia sem acordo

Em entrevista à BBC, primeiro-ministro britânico garante que Brexit ocorrerá de qualquer maneira até dia 31 de outubro

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2019 | 20h43

MANCHESTER, REINO UNIDO - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ameaçou neste domingo, 29, ignorar a lei e se retirar da União Europeia mesmo sem um acordo comercial. No início do mês, os deputados aprovaram um projeto que obriga o premiê a pedir um adiamento do Brexit – marcado para o dia 31 de outubro. Se não cumprir, Johnson poderia ser enquadrado em desacato ao Parlamento – e inclusive ser preso.

Em entrevista ao programa The Andrew Marr Show, da BBC, Johnson foi questionado se era possível deixar a União Europeia sem um acordo no dia 31 de outubro. “É claro que sim”, respondeu. Advogados vêm alertando, desde o início de setembro, que a única saída do premiê para driblar a lei é a renúncia – o que ele rejeita.

Entre assessores mais próximos e defensores radicais de um Brexit sem acordo, existe uma discussão se valeria ou não a pena Johnson assumir uma pena leve de prisão por desacato para se tornar uma espécie de “mártir” do movimento. 

Hoje, Johnson voltou a prometer concretizar o Brexit a qualquer custo em 31 de outubro. Ele deu a declaração antes do início da conferência anual do Partido Conservador, em Manchester. Durante a reunião, o primeiro-ministro garantiu que não deixará o cargo, mesmo que não consiga um acordo para tirar o Reino Unido da UE. “Não vou renunciar. Eu me comprometi a liderar o partido e meu país em um momento difícil e vou continuar fazendo isso. Acredito que é minha responsabilidade.”

Para Entender

Quais os caminhos para Johnson e para o Brexit com a volta do Parlamento britânico?

Decisão da Suprema Corte fará deputados retomarem atividades três semanas antes do desejado pelo premiê britânico

Johnson, que conta com apoio da maior parte da base do Partido Conservador, chegou ao poder em julho com a promessa de concluir o processo do Brexit – decidido por 52% dos britânicos no plebiscito de 2016 – mesmo sem um acordo comercial com a UE e ainda que o Parlamento o proíba. 

Denúncias contra o premiê 

Além de enfrentar um Parlamento hostil, Johnson começa a semana envolvido em outros escândalos. O primeiro é uma investigação, aberta no fim de semana por autoridades de Londres, sobre sua relação com Jennifer Arcuri, ex-modelo e empresária americana que teria recebido privilégios da prefeitura comandada por ele entre 2008 e 2016. 

A empresária americana que recebeu milhares de dólares de uma agência do governo sob controle do premiê britânico afirmou a amigos que os dois tiveram um caso, segundo reportagem do jornal britânico The Sunday Times

A revelação intensifica o escândalo no qual Johnson está envolvido. Autoridades de Londres anunciaram, no sábado, a abertura de uma investigação para apurar ilegalidades cometidas por ele. A empresária teria recebido US$ 155 mil (cerca de R$ 640 mil) em verbas públicas e teria tido acesso privilegiado em viagens comerciais internacionais e patrocínios, segundo o jornal. Ao todo, teriam sido três missões oficiais de comércio exterior ao lado de Johnson. 

Outra questão incômoda é o relato da jornalista Charlotte Edwardes, editora do Sunday Times, que acusa Johnson de assédio durante um jantar, em 1999 – ele teria colocado a mão na coxa de Charlotte por debaixo da mesa. O governo foi obrigado a emitir um comunicado negando tudo.

Amparado por pesquisas 

O premiê, porém, também recebeu boas notícias no fim de semana. Uma pesquisa de opinião publicada pelo jornal Observer mostrou que o Partido Conservador lidera com folga as intenções de voto, mesmo diante de tanta turbulência. Johnson obteria hoje 36% dos votos – 1 ponto porcentual a menos do que ele tinha na semana passada.

O maior partido de oposição, o Trabalhista, teria 24% – um crescimento de 3 pontos porcentuais, mas ainda longe dos conservadores. Em terceiro lugar vem o Partido Liberal-Democrata, com 20% das intenções de voto. Até o momento, os liberal-democratas são os que mais ganharam apoio entre os eleitores que defendem a permanência na UE. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.