Natacha Pisarenko/AP Photo
Natacha Pisarenko/AP Photo

Ministério das Relações Exteriores da Bolívia autoriza salvo-conduto para filha de Evo Morales

Evaliz Morales Alvarado está isolada na Embaixada do México em La Paz

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2019 | 01h13

O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia anunciou nesta terça-feira, 19, que autorizou um salvo-conduto para Evaliz Morales Alvarado, filha de Evo Morales, que está isolada na Embaixada do México em La Paz.

O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia confirmou esta decisão em uma mensagem no Twitter, afirmando que autorizava salvo-conduto para Morales Alvarado e para a indígena María Inosenta Poñe Poichee, também isolada na embaixada mexicana em La Paz, sem fornecer mais detalhes.

Depois que Evo Morales renunciou à Presidência boliviana em 10 de novembro, forçado pelos militares e no meio da crise após as fracassadas eleições de 20 de outubro, vários funcionários do governo pediram asilo na Embaixada do México em La Paz. Morales está no País desde 12 de novembro como asilado, muito ativo nas redes sociais e dando entrevistas à mídia mexicana e internacional.

O governo interino boliviano expressou aborrecimento ao executivo mexicano por permitir que Morales proferisse declarações "políticas e hostis" sobre a situação na Bolívia, considerando que isso viola os princípios do asilo político.

Na sexta-feira passada, o Ministério das Relações Exteriores da Bolívia informou que havia cerca de vinte pessoas na embaixada mexicana que solicitaram asilo, incluindo funcionários do governo de Morales, embora na época não houvesse detalhes como nomes ou posições.

A chanceler interina, Karen Longaric, disse à mídia na terça-feira que seu ministério avalia cerca de vinte pedidos de salvo-conduto para membros do Movimento ao Socialismo (MAS), e que o primeiro será emitido durante o dia. 

Horas antes do Ministério das Relações Exteriores reportar o salvo-conduto para a filha de Evo Morales, o ex-presidente Jorge Quiroga (2001-2002) pediu ao governo interino que concedesse "segurança e conduta segura, se necessário, a Evaliz Morales". "Evo nos perseguiu violentamente e sem piedade, incluindo parentes. Isso terminou e nunca será repetido. As crianças não são responsáveis ​​por atos de políticos ou tiranos", escreveu Quiroga no Twitter. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.