Reprodução
Reprodução

Morte de quatro pessoas em comunidade construída pela Disney na Flórida intriga moradores

Corpos encontrados em casa na cidade de Celebration, construída e planejada pela Disney nos anos 90, são mais um exemplo de caso misterioso na pequena comunidade

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 14h46
Atualizado 29 de outubro de 2020 | 12h53

CONNECTION, EUA - O crime que chocou a comunidade de Celebration, uma pequena "cidade modelo" criada pela Disney World nos anos 90 na Flórida, continua sem respostas e intrigando os moradores. Na noite de terça-feira, quatro corpos de integrantes de um família que estava desaparecida havia dias foram encontrados em uma casa pela polícia. Hoje, nenhuma nova informação foi repassada pelas autoridades, aumentando a angústia de moradores e parentes das vítimas.  

Segundo relatos de testemunhas, o homem fotografado algemado saindo da casa onde os corpos foram encontrados seria Antony Todt, que morava no local com sua mulher e três crianças. A família viva na casa desde maio, mas estava desaparecida desde 6 de janeiro, segundo relatos de moradores em um grupo de uma rede social. O grupo foi criado para que os moradores pudessem trocar informações sobre o paradeiro da família. 

Michelle Augustin e sua mãe vivem nas proximidades da casa onde os corpos foram encontrados e disseram ao canal Wesh 2 News que não viram nada que indicasse um crime. "Não vejo a família há semanas. Eles costumavam estacionar na nossa frente, então a gente os via todos os dias indo e vindo e ficando com as crianças. A última vez que os vi foi por volta do dia de Ação de Graças (fim de novembro)", contou. 

Comunidade criada

O jornal The New York Times lembra que a criação da comunidade de Connection foi cercada de tantas expectativas que, em 1995, 4 mil pessoas entraram em um sorteio para concorrer ao direito de adquirir 1 das cerca de 500 casas da pequena cidade. Hoje, há cerca de 7 mil moradores no local. 

Quando Celebration foi inaugurada, em 1996, era uma das primeiras comunidades planejadas inspiradas nas pequenas cidades tradicionais, com casas que pareciam até antiquadas. A ideia era promover um senso de comunidade de cidade pequena. 

Com ideias bem claras sobre como a cidade deveria parecer, a Celebration Company, criadora da comunidade, estabeleceu um contrato de regras e convênios que todos os proprietários de imóveis teriam de cumprir.

Os regulamentos controlavam a aparência de casas e gramados, desde a seleção de arbustos no jardim até a cor da cortina. Uma lei permitia ainda que a Celebration Company decidisse quais negócios chegavam à cidade.

No início dos anos 2000, no entanto, a Disney decidiu vender suas propriedades na região. A decisão veio após a ocorrência de crimes como o assassinato de um professor aposentado, um suicídio e relatos de abuso sexual. Depois de um tempo, alguns moradores perderam emprego, o cinema local fechou e, agora, a cidade enfrenta um crime nebuloso. 

A comunidade já é rica em lendas urbanas. Uma delas, por exemplo, conta que a Disney teria contratado pessoas para passear com cães para torná-la mais amigável. Em outra, seus habitantes teriam entradas gratuitas para os parques temáticos da Disney. As duas histórias, segundo o jornal, são falsas. / Com informações da AFP e do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.