Borut Zivulovic/Reuters
Borut Zivulovic/Reuters

Na Eslovênia, estátua de Melania Trump é incendiada e removida

Escultura ficava às margens do rio Sava, nas proximidades de Sevnica, cidade natal da primeira-dama americana

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2020 | 17h37

A escultura em tamanho real da primeira-dama dos EUA, Melania Trump, que ficava nas proximidades de sua cidade natal, Sevnica, na Eslovênia, foi removida nesta quinta-feira, 9, alguns dias após ter sido incendiada. 

Ainda não se sabe quem ateou fogo à escultura. O ataque aconteceu em 4 de julho, dia em que se comemora a independência americana. À sombra do Monte Rushmore,  um monumento aos presidentes dos EUA em Dakota do Sul,  Donald Trump havia feito um discurso condenando a depredação de estátuas por manifestantes antirracistas.

A escultura de Melania, que mostra a primeira-dama vestida em um vestido azul, com o rosto enrugado, lábios franzidos e membros grossos, provocou reações variadas após a sua inauguração no ano passado.

Ninguém, incluindo a galeria de arte que a apresentou, parecia saber se a estátua era uma paródia ou deveria ser levada a sério, informou o Washington Post na época.

Alguns moradores o compararam a um Smurf, ou observaram que a roupa azul era semelhante ao traje azul-pó que Melania usava no Dia da Inauguração em 2017.

"Eu acho que é a beleza disso, que ninguém pode responder à pergunta: é sério? É uma piada?" O curador alemão Lukas Feireiss, que estudou o trabalho do artista Brad Downey, o artista americano que encomendou a peça, disse ao The Washington Post. O escultor Ales Zupevc esculpiu a figura.

A polícia do país disse que uma investigação está em andamento. Downey disse à Reuters que queria conversar com os responsáveis.

"Quero saber por que eles fizeram isso", disse ele.

Semanas após a estátua da primeira-dama ter sido erguida no ano passado, uma polêmica representação do Presidente Trump com um rosto de aparência severa, com um rosto bastante severo, cabelos amarelos e gravata vermelha também apareceu na Eslovênia, mas rapidamente foi ameaçada por pessoas prometendo destruí-lo.

Em janeiro, incendiários atiraram-na para uma fogueira e a reduziram a restos carbonizados.

A tocha e a remoção da escultura de Melania em 4 de julho ocorreram em meio a uma onda de derrubadas de estátuas que começou durante protestos nos Estados Unidos e se espalhou pelo mundo, juntamente com um esforço para confrontar, em vez de monumentalizar histórias de violência e opressão.

Nos EUA, muitas estátuas confederadas foram derrubadas nas últimas semanas, em meio a manifestações contra a injustiça racial e a brutalidade policial.

Em 19 de junho, manifestantes derrubaram a estátua do general confederado Albert Pike, perto da Praça do Judiciário, em Washington, cantando "vidas negras são importantes".

Na Grã-Bretanha, manifestantes que se reuniram em protestos anti-racistas em Londres pediram ao país que enfrentasse seu papel no tráfico de escravos e desfiguraram uma estátua do líder da guerra Winston Churchill, chamando o ex-primeiro-ministro de racista. Procurando proteger a estátua, funcionários colocaram a instalação em uma caixa de madeira protetora.

Em Bristol, os manifestantes do Black Lives Matter derrubaram uma estátua do filantropo, político e comerciante de escravos britânico do século XVII Edward Colston e despejaram o monumento em um porto, enquanto os espectadores aplaudiam e compartilhavam vídeos nas mídias sociais.

Bélgica, Brasil, França, Portugal e outros países viram estátua semelhante tombando por manifestantes.

No mês passado, o presidente Trump disse que assinou uma ordem "forte" para proteger monumentos no país, enquanto manifestantes se reuniam perto da Casa Branca pedindo a remoção de uma estátua do ex-presidente e proprietário de escravos Andrew Jackson, conhecido por seu tratamento severo ao indígena Americanos. /WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.