Nir Elias/REUTERS
Nir Elias/REUTERS

Quem é Naftali Bennett, o político israelense que pode suceder a Binyamin Netanyahu

Milionário do setor de tecnologia se tornou um legislador religioso de extrema direita, defensor ferrenho dos assentamentos israelenses e oponente de um Estado palestino

Miriam Berger, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2021 | 10h01
Atualizado 02 de junho de 2021 | 17h29

Depois de 15 anos no cargo e uma sequência de quatro eleições incapazes de resolver um impasse político, o premiê mais longevo de Israel, Binyamin Netanyahu, pode ser destituído por uma coalizão de partidos de oposição, unidos por pouco mais do que o desejo de substituí-lo.

Se confirmado pelo parlamento de Israel, o acordo tornará um ex-protegido de Netanyahu, Naftali Bennet, premiê -- pelo menos por um tempo determinado, após o qual ele deverá passar o cargo a Yair Lapid, um político centrista.

O prazo para informar ao presidente israelense sobre o fechamento de um acordo para formar uma coalizão é meia-noite desta quarta-feira em Israel (18 horas em Brasília).

O bloco anti-Netanyahu queria informar ao presidente de Israel, Reuven Rivlin, antes do início da sessão plenária do Knesset para obrigar o presidente do Knesset, Yariv Levin, a realizar a cerimônia de posse do governo antes da quarta-feira da próxima semana.

O prazo não foi cumprido, e um novo governo só deve ser aprovado no Parlamento no fim da próxima semana. Há temores entre o bloco anti-Netanyahu de que esse atraso possa permitir a Levin atrasar ainda mais a votação de confirmação. 

Embora o partido de Bennett tenha ficado muito atrás de Netanyahu e de Lapid na última eleição, uma pressão crescente para derrubar Netanyahu, vinda de todos os espectros políticos, permitiu que ele se tornasse uma figura central para resolver o impasse.

Aqui está o que saber sobre Bennett, um milionário do setor de tecnologia que se tornou um legislador religioso de extrema direita, defensor ferrenho dos assentamentos israelenses e oponente de um Estado palestino.

Quem é Naftali Bennett?

Bennett, 49, nasceu em Haifa, Israel, filho de imigrantes judeus americanos. Ele passou algum tempo nos Estados Unidos quando criança e, como Netanyahu, fala fluentemente inglês, com sotaque americano.

Ele é um judeu religioso ortodoxo moderno. Se virar primeiro-ministro, Bennett será o primeiro chefe de Estado religioso de Israel. Ele atualmente mora na próspera cidade de Raanana, um subúrbio de Tel Aviv, com sua esposa e quatro filhos.

Bennett foi oficial em uma unidade de comando de elite durante seu serviço militar, obrigatório para cidadãos israelenses judeus. Em 1996, enquanto servia no sul do Líbano, ocupado por militares israelenses na época, ele e sua unidade foram presos perto da aldeia libanesa de Kafr Qana.

Enquanto tentavam recuar, um ataque de artilharia israelense matou 102 civis libaneses que se abrigavam em uma instalação das Nações Unidas - um incidente conhecido como massacre de Qana.

Bennett passou a trabalhar na indústria de tecnologia e estudou direito na Universidade Hebraica de Jerusalém. Em 1999, ele fundou sua própria start-up, uma empresa de software, e se mudou para Nova York. Em 2005, ele vendeu sua empresa, que produzia software antifraude, para uma empresa de segurança dos Estados Unidos por US $ 145 milhões, de acordo com a agência Reuters.

Como ele cresceu na política israelense?

Bennett ingressou na política israelense em 2006 e serviu como auxiliar sênior de Netanyahu até 2008. Ele é uma geração mais jovem do que Netanyahu, 71, e supostamente teve um relacionamento difícil com seu mentor político.

Depois de deixar o governo, Bennett chefiou o Conselho Yesha, o principal movimento de colonos israelenses na Cisjordânia ocupada, capturada por Israel em 1967 e reivindicada pelos palestinos.

Em 2013, ele voltou a entrar na política israelense como líder do partido da extrema direita Jewish Home. Bennett reformulou o Jewish Home como um partido pró-colonos e fez apelos para anexar a Cisjordânia, o que seria ilegal segundo o direito internacional, uma parte fundamental de sua plataforma. Bennett posteriormente serviu como ministro da Defesa, ministro da Educação e ministro da Economia no governo de Netanyahu.

Em 2018, Bennett se juntou a Ayelet Shaked, outro incendiário de direita da política israelense, para formar o partido da Nova Direita. O partido inicialmente não ultrapassou o limiar eleitoral para entrar no parlamento de Israel nas eleições de 2019 - a primeira das quatro eleições em impasse que Israel teve nos últimos dois anos. Na última eleição em março, no entanto, o partido Yamina, de Bennett, do qual a Nova Direita faz parte, garantiu seis das 120 cadeiras disponíveis - o suficiente para entrar no parlamento e, no estado atual de Israel, o suficiente para Bennett até mesmo se tornar primeiro-ministro.

Quais são suas políticas?

Embora não viva em um assentamento na Cisjordânia, Bennett fez da anexação de partes dos territórios palestinos uma parte central de seu programa político. Como muitos outros políticos importantes em Israel, Bennett assume uma linha dura contra o Irã e apóia políticas econômicas liberais.

Ele também se tornou conhecido por sua retórica anti-palestina incendiária. Em 2015, ele se referiu às perspectivas de um Estado palestino como "suicídio" para Israel e em 2014 alertou os cidadãos árabes de Israel contra se tornarem uma "quinta coluna". Em outra declaração polêmica em 2013, Bennett disse que "os terroristas palestinos deveriam ser mortos, não libertados". Bennett expressou apoio ao aumento do controle judaico sobre o complexo do Monte do Templo, conhecido pelos muçulmanos como o Santuário Nobre, na contestada Cidade Velha de Jerusalém.

Que impacto ele poderia ter como primeiro-ministro?

No curto prazo, os analistas preveem que as visões mais ideológicas de Bennett seriam contidas pelas restrições do acordo de governo misto. É improvável que ele avance com seus planos de anexação, que provavelmente enfrentariam oposição do presidente Joe Biden e dos novos aliados árabes do Golfo Pérsico de Israel.

Mas se Bennett assumisse o cargo mais alto de Israel, sua ascensão cimentaria a ascensão da próxima geração de políticos israelenses de extrema direita. Até agora, ele parece ter assumido uma postura um tanto conciliatória.

"Nos próximos anos, precisamos deixar de lado a política e questões como a anexação ou um Estado palestino e nos concentrar em obter controle sobre a pandemia do coronavírus, curando a economia e consertando fendas internas", disse Bennett à Rádio do Exército de Israel em novembro. Israel, no entanto, está profundamente polarizado ao longo das linhas pró e anti-Netanyahu.

Desde que Bennett fez seu anúncio no domingo, manifestantes se reuniram em frente à sua casa. A polícia aumentou seu destacamento de segurança após um aumento de ameaças contra ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.