Channel 9 via AP
Channel 9 via AP

Sete adolescentes sofrem overdose em escola particular na Austrália

Polícia está investigando como o grupo obteve as drogas, quanto tinham e de qual quantidade fizeram uso; hospital informou que pacientes estão estáveis e melhorando progressivamente

O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2018 | 05h31
Atualizado 22 Fevereiro 2018 | 10h11

GOLD COAST, AUSTRÁLIA - Sete adolescentes precisaram ser encaminhados a um hospital após sofrerem overdose nas dependências de uma escola particular na Austrália na quarta-feira 21. Dois já foram liberados e cinco ainda estão internados.

+ Crianças se tornam viciadas ainda no útero

Todos os envolvidos são homens, e segundo a polícia alguns deles, com 14 e 15 anos, estão em estado crítico. O Hospital Universitário Gold Coast não informou o quão grave é a situação, mas em nota disse que os pacientes estão estáveis e melhorando progressivamente. 

+ Viciados invadem as ruas com medo de overdose

Os estudantes estavam na escola St. Stephen College, perto da cidade litorânea de Gold Coast. O estado de saúde dos adolescentes foi percebido pelos funcionários, que acionaram os serviços de emergência.

O detetive Greg Aubort disse à imprensa local que os garotos fizeram uso de drogas ilícitas e de muito impacto no organismo. A polícia informou que o grupo consumiu as substâncias por algumas horas até que surtisse os efeitos. "Nenhuma droga ilícita é segura. É perigoso e este é um clássico exemplo do que pode acontecer quando crianças ultrapassam os limites." 

A polícia está investigando como o grupo obteve as drogas, quanto tinham e de qual quantidade fizeram uso. “Vamos seguir a linha do quanto foi ingerido, mas por enquanto alguns claramente não podem falar”, adiantou Aubort. 

O diretor da escola passou a noite no hospital acompanhando os alunos e as famílias. / Associated Press

Reveja: Cidade dos EUA devastada por epidemia de opioides

Mais conteúdo sobre:
drogasAustrália [Oceânia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.