REUTERS/Enrique Castro-Mendivil
REUTERS/Enrique Castro-Mendivil

Toledo permanecerá detido durante processo de extradição para o Peru

Promotores argumentaram que existia um risco de fuga do ex-presidente, que no momento da prisão trazia numa maleta US$ 40 mil em espécie

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2019 | 17h22

LOS ANGELES, EUA - O ex-presidente peruano Alejandro Toledo permanecerá detido nos Estados Unidos durante o processo de extradição para seu país, onde é acusado de receber propina da Odebrecht.

Abraham Simmons, porta-voz do Ministério Público Federal disse à AFP que o juiz Thomas S. Hixson "ordenou que Toledo permanecesse sob custódia" durante o processo. A decisão foi informada em audiência nesta sexta-feira (19) em um tribunal federal em San Francisco.

Toledo, que ocupou a presidência do Peru entre 2001 e 2006, foi detido na terça-feira nos Estados Unidos para ser extraditado, acusado pela Procuradoria anticorrupção de seu país de ter recebido US$ 20 milhões da construtora brasileira em troca da licitação da rodovia Interoceânica, que une o Peru ao Brasil.

Os promotores argumentaram que existia um risco de fuga do ex-presidente, que no momento da prisão trazia numa maleta US$ 40 mil em espécie. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.