EFE/Shawn Thew
EFE/Shawn Thew

Trump garante que venceria Oprah em disputa pela Casa Branca

Presidente americano afirmou que 'seria muito divertido' enfrentar a atriz, produtora e ex-apresentadora na corrida presidencial de 2020, apesar de não acreditar que ela se candidatará ao cargo; melhor amiga diz que estrela pode mudar de ideia no futuro

O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2018 | 17h03

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira, 9, que derrotaria a ex-apresentadora e atriz Oprah Winfrey em uma disputa eleitoral pela Casa Branca, apesar de não acreditar que ela se candidatará ao cargo, em 2020.

+ 'O tempo dos abusadores já acabou', diz Oprah Winfrey no Globo de Ouro

"(Enfrentar) Oprah seria muito divertido", disse Trump durante um encontro sobre questões imigratórias com legisladores. O republicano afirmou conhecer bem a magnata da mídia e, por isso, não acredita que ela se interessará pela disputa.

O presidente americano também relembrou que foi um dos convidados nas últimas edições do talk show comandado por Oprah de 1986 a 2011. Mais cedo, um porta-voz da Casa Branca disse que o presidente enfrentaria Oprah com prazer na corrida presidencial de 2020. 

“Nós saudamos o desafio, seja de Oprah Winfrey ou de qualquer outra pessoa”, afirmou Hogan Gidley a repórteres a bordo do avião presidencial americano, o Air Force One, durante voo para Nashville. “Nós saudamos todos os desafiantes.”

+ Trump e como minar a imagem de um país no Twitter

Ideia intrigante

Também nesta terça, a melhor amiga de Oprah, Gayle King, minimizou as insinuações de que ela poderia concorrer à presidência dos EUA. Gayle, apresentadora da emissora CBS, disse que a amiga está "intrigada com a ideia" de lançar uma candidatura presidencial, mas depois de uma longa conversa das duas na noite anterior, não acredita que isso acontecerá.

"Ela ama esse país e gostaria de servi-lo de alguma forma. Mas eu não acho que ela está realmente considerando (se candidatar à presidência) neste momento", disse Gayle. "Mas eu também sei que, após anos assistindo ao ‘The Oprah Show’, você sempre tem o direito de mudar de opinião", completou.

A CNN, citando dois amigos íntimos de Oprah, relatou na segunda-feira que a atriz e produtora de cinema e TV estaria efetivamente pensando sobre uma candidatura à Casa Branca. Um deles afirmou que a conversa sobre o assunto teria surgido após o Globo de Ouro, mas o outro colega afirmou que a ideia surgiu há alguns meses.

De qualquer forma, ambos disseram que a apresentadora ainda não teria decidido se disputaria, de fato, a presidência. A agente da Oprah também não respondeu aos pedidos de comentário sobre o assunto.

+ Lady Gaga apoia possível candidatura de Oprah Winfrey à presidência dos EUA

Discurso inspirador

As especulações sobre uma possível candidatura de Oprah à Casa Branca se espalharam na madrugada de segunda-feira, depois do discurso que ela fez durante a premiação do Globo de Ouro. As redes sociais ficaram agitadas com a hipótese após a estrela promover o movimento “Time’s Up” (O tempo acabou, em tradução livre) contra assédio e abuso sexual.

Diante de um público entusiasmado, Oprah falou durante nove minutos sobre gênero, pobreza e raça, vinculando estes assuntos a duas heroínas da luta por direitos civis nos EUA: Rosa Parks e Recy Taylor. Ela também disse que “um novo dia está no horizonte” para as mulheres e as crianças abusadas por homens.

Muitos viram a declaração como um ponto de inflexão na vida pública de Oprah e interpretaram a mensagem como uma espécie de grito de campanha. Diversos tuítes com menções como "Oprah para presidente" e "Oprah 2020" foram publicados na rede social.

Oprah é atriz, produtora de cinema e televisão e editora executiva de seu próprio canal de televisão. Ela fez campanha para Barack Obama em 2008 e apoiou Hillary Clinton em 2016, quando discutiu sobre as perspectivas de uma mulher na presidência. / AP, REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.