John THYS / AFP
John THYS / AFP

União Europeia rejeita renegociar acordo sobre o Brexit com May

Irlanda estima perda de 55 mil empregos e 4,25% a menos no PIB do país em 2019 se não houver acordo sobre separação

Redação, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2019 | 20h18

LONDRES - A União Europeia rejeitou nesta quarta-feira, 30, reabrir negociações sobre o Brexit com a premiê britânica, Theresa May. “O acordo de separação não será renegociado”, garantiu o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, em discurso no Parlamento Europeu, repetindo o que havia sido dito pelos governos de Irlanda, Alemanha e França.

Nesta quarta-feira, May falou ao telefone com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk. “Minha mensagem à premiê é que a posição da UE tem sido clara e consistente. O acordo não está aberto para renegociação”, escreveu Tusk no Twitter.

Na terça-feira, o Parlamento britânico forçou May a reabrir as negociações com a UE sobre a situação da fronteira física entre a Irlanda, país-membro da UE, e o território britânico da Irlanda do Norte. 

Após dois anos de negociação, Londres e Bruxelas inventaram um mecanismo batizado de “backstop”. A ideia foi criar uma rede de proteção para o caso de uma saída do Reino Unido sem acordo. Para evitar o restabelecimento de uma fronteira física entre Irlanda e Irlanda do Norte, os britânicos permaneceriam no mercado comum europeu até que algum tratado de livre-comércio seja assinado. 

Os eurocéticos britânicos afirmam que o “backstop” deixa o Reino Unido na mesma posição em que sempre esteve e trava a assinatura de tratados de livre-comércio com outros países. Na terça-feira, o Parlamento britânico propôs a substituição do mecanismo por “acertos alternativos”, um termo vago que foi criticado pelos líderes europeus.

 

“A votação (de terça-feira) mostrou que o Parlamento britânico é contra um monte de coisas. Mas não disse nada sobre o que eles querem”, reclamou Juncker. Michel Barnier, que chefiou as negociações por parte da UE, também rejeitou os britânicos. “Vou dizer com bastante calma: o ‘backstop’ continua do jeito que é.”

Guy Verhofstadt, representante do Parlamento Europeu para o Brexit, foi irônico. “A premiê será sempre bem recebida em Bruxelas”, disse o ex-premiê belga. “Mas para quê? Para fazer o quê?” 

Com a recepção fria por parte dos europeus, aumenta ainda mais o risco de o Reino Unido deixar a UE sem um acordo, o que seria o pior cenário possível, segundo políticos, analistas e investidores dos dois lados do Canal da Mancha. 

Caos

Hoje, o Ministério das Finanças da Irlanda anunciou que 55 mil empregos irlandeses seriam perdidos em caso de Brexit sem acordo.

Segundo o ministro Paschal Donohoe, o caos econômico causado pela imposição de tarifas e fiscalização aduaneira faria o PIB da Irlanda ser 4,25 pontos porcentuais menor, em 2019, e 6 pontos porcentuais menor, em 2023.

Além disso, irlandeses e norte-irlandeses temem que o restabelecimento de uma fronteira física entre os dois territórios colocaria em risco o Acordo de Sexta-Feira Santa, de 1998, que acabou com o conflito civil, que deixou 3,5 mil mortos entre 1969 e 1997. 

Na semana passada, um carro-bomba explodiu em Londonderry, perto de Belfast, sem deixar feridos. A polícia responsabilizou um grupo chamado de “Novo IRA”, uma dissidência do antigo Exército Republicano Irlandês que lutava pela unificação da ilha. “A paz é mais importante que o Brexit”, afirmou Simon Coveney, chanceler irlandês.

Desde dezembro, a Irlanda vem se preparando para um Brexit sem acordo. Até março, o governo garante que terá contratado cerca de 400 novos funcionários para trabalhar em postos alfandegários, principalmente nos portos de Dublin e Rosslare, onde já há um espaço reservado para a construção de estacionamentos para caminhões e pontos de inspeção de mercadorias. 

Ameaça

Se a tarefa de May em Bruxelas parece difícil, seu gabinete não tem ajudado a criar um bom ambiente para a reabertura de negociações. Hoje, Kwasi Kwarteng, ministro britânico para o Brexit, ameaçou a UE durante uma entrevista à Sky News. 

“A Europa tem de ceder alguma coisa com relação ao ‘backstop’. Se não houver acordo, eles não receberão um centavo nosso”, disse Kwarteng, em referência à conta de € 45 bilhões (R$ 190 bilhões) que o Reino Unido havia se comprometido a pagar pelo Brexit. / REUTERS, AP e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.