Samuel Corum / The New York Times
Samuel Corum / The New York Times

Além de advogado, Trump discutiu perdão preventivo a três filhos, diz jornal 

Trump teria demonstrado preocupação com a possibilidade de um Departamento de Justiça do governo Biden buscar retaliação contra o republicano, visando os três mais velhos de seus cinco filhos

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2020 | 22h34

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, discutiu com seus conselheiros se deve conceder perdões preventivos a seus filhos, a seu genro e a seu advogado pessoal Rudolph W. Giuliani, segundo reportagem do jornal The New York Times. Trump teria conversado com Giuliani sobre perdoá-lo na semana passada, de acordo com duas fontes informadas sobre o assunto citadas pelo jornal.

Trump teria demonstrado preocupação com a possibilidade de um Departamento de Justiça do governo Biden buscar retaliação contra o republicano, visando os três mais velhos de seus cinco filhos - Donald Trump Jr., Eric Trump e Ivanka Trump - bem como o marido de Ivanka, Jared Kushner, um conselheiro sênior da Casa Branca.

Donald Trump Jr. chegou a ser investigado pelo promotor especial Robert Mueller por contatos que o jovem tivera com os russos oferecendo informações prejudiciais sobre Hillary Clinton durante a campanha de 2016, mas nunca foi acusado. Kushner forneceu informações falsas às autoridades federais sobre seus contatos com estrangeiros para sua autorização de segurança, mas obteve uma de qualquer maneira pelo presidente.

A natureza da preocupação de Trump sobre qualquer potencial ato criminal de Eric Trump ou Ivanka Trump não está clara, embora uma investigação do promotor distrital de Manhattan sobre a Organização Trump tenha se expandido para incluir reduções de impostos sobre milhões de dólares em honorários de consultoria da empresa, algumas das quais parecem ter ido para Ivanka.

Os perdões presidenciais, no entanto, não fornecem proteção contra crimes estaduais ou locais.

A possível exposição criminosa de Giuliani também não está clara, embora ele estivesse sob investigação recentemente por promotores federais em Manhattan por seus negócios na Ucrânia e seu papel na destituição da embaixadora americano nesse país, uma trama que esteve no cerne do processo impeachment contra Trump.

A especulação sobre possíveis perdões da Casa Branca tem aumentado furiosamente, ressaltando o quanto o governo Trump foi marcado por investigações e processos criminais contra pessoas na sua órbita. O próprio Trump foi apontado pelos promotores federais como “Indivíduo 1” em um processo judicial que enviou Michael Cohen, seu ex-advogado e 'fixer', para a prisão.

As discussões entre Trump e Giuliani ocorreram quando o ex-prefeito de Nova York se tornou uma das vozes mais importantes nas alegações infundadas de fraude generalizada na eleição de 2020, que Trump ainda proclama publicamente que ganhou. 

Muitos dos assessores de longa data de Trump se recusaram a fazer a oferta do presidente para tentar derrubar uma eleição que o presidente eleito Joe Biden ganhou por quase 7 milhões de votos. Mas Giuliani repetidamente se colocou sob os holofotes para lançar dúvidas sobre os resultados, conquistando o presidente.

ABC News informou na terça-feira que Trump estava considerando perdoar membros da sua família. Uma porta-voz de Trump não respondeu a um e-mail pedindo comentários.

Giuliani não respondeu a uma mensagem pedindo comentários, mas mais tarde ele atacou a reportagem do New York Times no Twitter e disse que era falso.

Trump exerceu seu poder de clemência em casos que tiveram ligação com ele ou o afetaram pessoalmente, ou que têm uma linha direta com ele por meio de amigos ou parentes, enquanto milhares de outros casos aguardam sua revisão.

Na semana passada, ele perdoou seu ex-conselheiro de segurança nacional Michael Flynn  por possíveis problemas legais além da acusação que ele enfrentou de mentir para investigadores federais. A mudança aumentou as expectativas de que Trump concederá clemência a outros associados em suas últimas semanas no cargo/NYT  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.