Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Após apoio de Eduardo Bolsonaro, Palácio nega incentivo à ocupação de embaixada da Venezuela

Em nota, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República diz que presidente Jair Bolsonaro não tinha conhecimento e não 'incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela'

Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2019 | 12h18

BRASÍLIA - Após o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, declarar apoio à ocupação da embaixada da Venezuela na madrugada desta quarta-feira, 13, o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República encaminhou nota afirmando que o presidente “jamais tomou conhecimento” ou "incentivou a invasão" da embaixada.

A nota diz que “como sempre há indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade”. O texto diz ainda que as forças de segurança, da União e do Distrito Federal estão tomando providências para que a situação se resolva “pacificamente”.

“O Presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó”, diz o documento.

Quando Guaidó tentou assumiu o poder da Venezuela, se autoproclamando presidente do país, foi reconhecido formalmente pelo Brasil. Eduardo apoiou a tomada de poder, com a hashtag #foraMaduro. 

Para Entender

Venezuela: conheça os 6 generais que mantêm Maduro no poder

Mesmo com a pressão internacional e os protestos dentro do país, Nicolás Maduro continua no poder principalmente graças ao militares fieis ao chavismo

A ocupação da embaixada venezuelana acontece em meio ao primeiro dias de atividades da 11.ª Cúpula do Brics, que reúne os líderes de Rússia, Índia, China e África do Sul. Com exceção do Brasil, todos esses países apoiam a permanência de Nicolás Maduro no poder.

No meio diplomático, a ocupação da embaixada tem sido encarada como uma invasão, uma vez que o presidente da Venezuela atualmente, e de fato, é Nicolás Maduro. “Os ventos da Bolívia certamente chegarão à Venezuela. Não obstante isso, considero a ação de hoje, em meio à Cúpula dos Brics, contraproducente”, disse o advogado Fernando Tibúrcio, especialista em direitos humanos.

“Conversei com o presidente Guaidó e, em nenhum momento, me pareceu que uma ordem para ocupar a Embaixada tenha partido dele”, comentou Tibúrcio, que é um dos interlocutores de Guaidó no Brasil.

Cerca de 20 pessoas que se dizem representantes do opositor Juan Guaidó conseguiram pela primeira vez acesso à embaixada do país em Brasília na madrugada desta quarta-feira. Segundo eles, funcionários da embaixada permitiram o acesso de Tomas Silva, ministro-conselheiro acreditado pelo Brasil, ao local - a embaixadora María Teresa Belandria não está no País. O governo Maduro, no entanto, descreveu o ato como "invasão".

Ao meio-dia, pelo menos dez invasores continuavam no prédio de maneira pacífica. Deputados do PT e do PSOL, como membros de movimentos sociais e a embaixadora da Nicarágua, Lorena Martínez, estão no local. Um representante do Itamaraty esteve mais cedo no prédio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.