AFP PHOTO / Elijah Nouvelage
AFP PHOTO / Elijah Nouvelage

Atirador da Califórnia é identificado como Kevin Neal

Homem armado com fuzil semiautomático disparou contra casas e uma escola depois de uma briga doméstica; ele foi morto pela polícia

O Estado de S.Paulo

15 Novembro 2017 | 10h26

CALIFORNIA - O atirador que abriu fogo perto de uma escola primária no norte da Califórnia, nos Estados Unidos, na terça-feira, 14, matando quatro pessoas, foi previamente procurado por assaltar dois vizinhos, disse um promotor do caso.

Kevin Neal, de 43 anos, estava armado com uma arma semiautomática e duas armas de mão quando ele disparou mais de 100 tiros. Cinco pessoas morreram, incluindo o atirador, e outras sete ficaram feridas. Ao menos três crianças foram internadas.

O ataque começou por volta das 8 horas na Califórnia (14 horas no Brasil), quando a polícia recebeu o telefonema de ao menos dez pessoas comunicando terem ouvido tiros perto da escola infantil de Rancho Tehama, uma comunidade de cerca de 1500 habitantes que fica a 170 quilômetros de Sacramento, uma das principais cidades do Estado da Califórnia.

Neal, de Rancho Tehama, estava sendo processado por assalto com uma arma mortal que envolveu dois de seus vizinhos no início deste ano, disse o fiscal do distrito de Tehama, Gregg Cohen, ao jornal "Daily News".

O promotor informou que não estava claro se Neal havia atirado em um de seus vizinhos na terça-feira. Cohen acrescentou que às vezes usava o sobrenome "Smith", de acordo com o documento.

Lobby da bala nos Estados Unidos quer menor controle sobre as armas

Kevin Neal foi preso em 31 de janeiro pelo incidente com seus vizinhos, no qual ele teria disparado através de uma cerca em duas mulheres.

Em entrevista ao "Associated Press", a mãe do atirador disse que ele ligou para ela no dia anterior à tragédia. "Mamãe está tudo acabado. Fiz tudo o que poderia fazer e estou lutando contra todos que vivem nesta área", teria dito Neal. A mãe pediu que apenas seu primeiro nome, Annie, fosse usado pela reportagem porque temia por sua segurança. 

Annie reforçou que o filho parecia desesperado com seu relacionamento com os vizinhos, embora não desconfiasse da ação planejada por ele. 

A irmã de Neal, Sheridan Orr, falou que não conversava com o irmão há vários meses, mas disse que ele lutava contra uma doença mental e às vezes apresentava um temperamento violento. / Associated Press e Daily News

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.